Palavra futuro

TEMPOS

 

Boa tarde, crianças. Parem de se esganar uns aos outros e vamos nos reunir para aprender um pouco de Etimologia, que é o único recurso que tenho para obter um pouco de paz neste local de caos.

Ainda não consigo entender por que um grupo tão selvagem se interessa por um assunto mais adequado para outras idades, o que importa é que se acalmem.

É por isso que gasto um tempo para bolar assuntos para a aulinha. Ei, é isso aí. Tempo, tempos.

Esta palavra veio do Latim tempus, “tempo, estação do ano, momento”, possivelmente do Indo-Europeu temp-os-, “esticado, estendido”, de uma raiz ten-, “esticar, alongar”.

Às vezes o tempo dá mesmo a sensação de se esticar demais, principalmente quando a gente tem que dar aulas para… Deixa para lá.

Enfim, ele parece ser lento em certas ocasiões. Este adjetivo vem do Latim lentus, “brando, suave”.

Vagaroso vem de vagar, que vem do Latim vacare, “estar vazio, estar desocupado, ter tempo para fazer algo lentamente”. Algo que o Soneca, que está ali no fundo da sala roncando sabe muito bem o que é. Acorde e vá dormir, Soneca!

Pois não, Valzinha? Vai contar mais uma do seu condomínio? É que o porteiro da noite demorava muito para atender porque estava na garagem conversando com uma moradora no carro dela?

Ora, decerto eles estavam filosofando e é melhor a gente se deter na origem de demorar, do Latim demorari, “atrasar, ter retardo”, de mora, “atraso”.

E volta e meia o tempo passa rápido, como quando eu não estou em aula. Esta vem do Latim rapere, “tomar à força”. Rapidus era “aquele que é levado à força”, coisa que acontecia bastante naquelas épocas em que as pessoas eram tomadas como escravos. Com o tempo, a palavra incorporou mais a noção de velocidade do que a de violência, passando a ter a conotação que usamos hoje em dia.

Ah, se certas instituições ainda existissem e certas pessoinhas pudessem ser levadas para fora das aulinhas… Mas não adianta sonhar.

Um sinônimo de rápido é veloz. Vem do Latim velox, “rápido, veloz”, possivelmente relacionado a vehere, “transportar, levar”.

E assim podem ser os momentos, do Latim momentum, “instante, poder de mover algo, alteração, mudança”, contração de movimentum,  de movere, “deslocar, mover”. Essa palavra também pode ser usada em Física para definir “a quantidade de movimento de um objeto”. Quando vocês chegarem a estudar essa matéria, se conseguirem algum dia sair do Maternal, vão lidar muito com ela.

Essa palavrinha me lembra instante, que vem do Latim instans, “presente, urgente, aquele que apressa”, e que vem do verbo instare, de in-, “em”, mais stare, “estar, ficar de pé”.

Para expressar uma quantidade muito grande de tempo, usamos falar em era. Esta vem do Latim era, “era, época”, possivelmente de aera, “marcadores para fazer cálculos”, plural de aes, “cobre, latão, dinheiro”.

época vem do Latim epocha, do Grego epokhé, “parada, momento fixo no tempo”, do verbo epekhein, “tomar uma posição, fazer uma pausa”, formado por epi-, “sobre”, mais ekhein, “manter, segurar”. No século XV o sentido mudou para “período de tempo”.

Acompanhar o desenvolvimento das épocas pode nos mostrar se algo é antigo –  eu estou vendo as carinhas de vocês; saibam que eu não são tão antiga assim, apenas estou um pouco usada  –  um derivado do Latim antiquus, “velho, que existe há muito tempo, o que veio antes, idoso, venerável”, de ante, com o sentido de “à frente”.

Ou algo pode ser classificado como atual, do Latim actualis, “relativo à ação, ativo”, de actus, “um feito, impulso, ação”, de agere, “colocar em movimento, agir, fazer”.

Ou mesmo pode entrar na classificação de futuro, do Latim futurus, “o que vai ser, o que ainda não foi”, do verbo esse, “ser”.

Algumas vezes vemos coisas modernas, do Latim modernus, “atual, pertencente aos nossos dias”, de modo, “agora, de certa maneira”, de modus, “medida, maneira”.

Outras são antiquadas, outro derivado de antiquus. E parem com as risadinhas!

Estas mesmas podem ser chamadas de velhas, do Latim vetus, “velho, idoso”, literalmente “do ano anterior”, de uma fonte Indo-Europeia wetos-,  “com anos, entrado em idade”. Quietos!

Em oposição a isso, temos novo, do Latim novus, “novo, recente, pouco experiente”.

Às vezes se usa hodierno, que nos veio do Latim hodiernus, “referente ao dia de hoje”, de hodie, “hoje”, de hoc diem, “neste dia”.

Uma palavra que tem uso muito errado é diuturno. A maioria pensa que isso quer dizer “diurno e noturno” ou que é uma variação de diurno e assim usa a coitada. Mas diuturnus em Latim significa “aquilo que dura muito tempo”, e é esse ainda o seu significado atual. Vem de diu, “longo período de tempo”.

Agora peguem suas coisinhas e vão para casa. Gostaria que a estada de vocês em suas casas fosse diuturna, mas nem tudo se realiza conforme a gente quer.

 

Resposta:

TEMPO

 

  

Meu avô limpava os livros de sua biblioteca quando me ocorreu a pergunta:

– Quem foi que inventou o tempo?

Ele apenas me olhou com ar interrogativo. Eu sabia que isso queria dizer  “explique-se melhor, que isso está vago demais”.

– É, Vô, o tempo que passa nos relógios, não o tempo das nuvens e do calor e do vento. Quem foi que se deu conta que ele existia?

– Ah, agora sim. Devo dizer que sua pergunta é extremamente profunda, muito mais do que se poderia esperar, apesar de você ser um cabeça-oca.

Não dá para responder a ela, pois os físicos ainda estão discutindo o assunto e alguns até mesmo dizem que ele não existe.

Mas nós aqui podemos lidar com as palavras que o ser humano usa para lidar com uma coisa tão familiar e tão difícil de definir.

Ajeitei-me no velho banco de couro macio enquanto ele largava o pano de limpeza e se sentava na poltrona.

– Podemos começar com tempo mesmo. Ela veio do Latim tempus, “tempo, estação do ano”.

Podemos seguir com a palavra que designa uma parte do presente, hoje. Esta deriva do Latim hodie, de hoc die, “este dia”. Bem claro, não?

– Ah, que legal. E ontem, era “o dia que passou”?

– Essas tentativas em Etimologia quase sempre saem mal. Mas você não passou longe em seu chute. Essa palavra veio de ad noctem, “na noite”, significando “na noite passada”.

Antes que você pergunte, já vou dizer que amanhã vem de ad maneana, de hora maneana, “momento ou hora inicial do dia”.

– Eu me lembro da D. Alaídes dizendo “treisontonte”, que eu achava que se referia a uma data, mas nunca entendi.

– Ah, ela não tinha muita educação formal, mas lá se expressava. Isso é porque existe a palavra anteontem, de “antes” mais “ontem”. E o dia anterior a este é trasanteontem, que na linguagem popular, decerto influenciado por “três”, virou o que ela disse.

Podemos falar no presente, que vem do Latim praesens, “imediato, à disposição, presente”, de praeesse, “estar à mão, estar à frente”, de prae, “antes, à frente”, mais esse, “ser, estar”.

E no passado, que vem do Latim passare, “passar”, de passus, “passo”. É uma analogia que se fez entre o tempo e uma caminhada.

O caminho que percorremos está passado; infelizmente não pode ser percorrido de novo para acertarmos as voltas erradas que demos.

O velho suspirou. Eu respeitei suas lembranças ficando quieto e logo ele ergueu a cabeça:

– Felizmente existe o futuro, no qual colocamos as esperanças. Deriva de futurus, “o que vai ser, o que ainda não foi”, do verbo esse.

– E o ano?

– Vem do Latim annus, o tempo em que a Terra dá uma volta completa ao redor do sol.

Ele se divide em estações, que derivam de statio, “lugar de paragem, morada, posição”, de stare, “ficar, estar de pé”.

Um período de cem anos se chama século, do Latim saeculum, “idade, duração, geração”.  Só foi adquirir o sentido de “cem anos” tardiamente.

Temos também o milênio, de mille, “mil”, que não preciso explicar.

– E os tempinhos pequenos, como a hora?

– Esta veio do Latim hora, “hora, tempo, estação”, do Grego hora, “qualquer tempo definido em extensão”.

– Ué!

– Sim, isso era meio complicado. Para os gregos, hora era inicialmente uma estação, mas também uma parte do dia, como manhã, tarde ou noite.

– Deixa para lá, Vô, agora quero saber do minuto.

– Esse vem da divisão de um círculo em sessenta partes, que eram chamadas em Latim pars minuta prima, “a primeira parte pequena”. Como se determinou que a hora teria sessenta subdivisões iniciais, a analogia geométrica se aplicou a ela.

– Vejam só. E…

– Já sei. O segundo vem de pars minuta secunda, “a segunda parte pequena”, cabendo também sessenta deles num minuto.

– E este instante?

– Arre, que você está perguntão hoje!

– Eu sei que o senhor gosta.

– Gosto, mas não confesso. “Instante” vem do Latim instans, “urgente, premente”, de instare, “ficar perto, apressar, exigir”, de in– “em”, mais stare

– Que nem eu faço quando quero muito alguma coisa e me paro bem junto da Mãe ou do Pai até que resolvam me atender…

– Ou até que resolvam lhe dar a palmada que você merece, seu manipulador.

Mas agora, que veio de hac hora, “nesta hora”, chega de falar que já estou com sede.

Pegue este pano e me ajude aqui com estes livros.

 

Resposta:

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!