Palavra louro

ÁRVORES

 

Nosso planeta depende fortemente das árvores. Confiamos em que elas prosperarão, apesar dos maus-tratos que elas vêm sofrendo de nossa parte.

Eis as origens de alguns nomes desses vegetais.

 

 

ÁRVORE  –  do Latim arbor, “árvore”. Daqui saiu também arbusto.

 

CARVALHO  –  vem possivelmente de uma raiz ibérica gar-, “pedra”, ligando a árvore a terrenos pedregosos.

Nossa palavra robusto se liga a esta árvore. Ela vem do Latim robustus, “forte e duro”, originalmente “feito de carvalho”, de robur, ”tipo de carvalho”, derivado de ruber, “vermelho”, porque a madeira dele tem um tom avermelhado.

 

CEDRO  –  vem do Latim cedrus, do Grego kedron, o nome da árvore.

 

SALGUEIRO  –  do Latim salicarius arbor, de salix, “salgueiro” propriamente dito. Outro nome atual é chorão ou salgueiro-chorão, pois os seus galhos pendem até o chão, como se a árvore estivesse se lamentando.

É interessante saber que pelo menos desde o século V AC se extraía do interior da casca do salgueiro uma medicação de grande efeito no tratamento de dores em geral e para reduzir a febre.

Acabou-se descobrindo nessa casca o produto responsável por essas ações farmacológicas, que foi chamado salicina, a partir do nome latino.

A partir daí se obteve o ácido salicílico, de grande uso hoje.

Ele se encontra também em azeitonas, goiabas, tomates, chicória, melões. Mas é melhor ninguém tentar comer disso tudo um pouco esperando aliviar alguma dor.

 

BUXO  –  do Latim buxus, possivelmente relacionado ao Francês antigo busche, “madeira para queimar, lenha”.

 

CIPRESTE  –  do Latim  cypressus, do Grego kypárissos. A origem não é conhecida com certeza, mas há quem diga que seu nome veio da ilha de Chipre, onde essas árvores abundavam.

 

FLAMBOYANT  –  este nome, que significa “chamejante” em Francês, deriva do Latim  flamma, “chama, labareda”, já que de longe, quando florido, ele parece estar pegando fogo. É uma visão muito bonita.

 

PAU-BRASIL  –  é uma árvore que produz uma madeira nobre, de cor avermelhada, chamada brasil por lembrar a brasa das fogueiras; e brasa viria do Germânico brasa, “fogo”.

Vale aprender que o adjetivo brasileiro foi por muito tempo um pejorativo. Inicialmente ele designava a profissão de extrator de pau-brasil. E estes eram geralmente degredados, condenados por crimes em Portugal e enviados para pagar suas penas nos trópicos, não sendo assim grandes exemplos de uma vida reta.

 

LOURO  –  do Latim laurus, o nome da planta. Dela eram feitas as coroas de louros que sempre estiveram associadas à vitória. Isso porque o louro era um atributo do deus conhecido como Ares entre os gregos e Marte entre os romanos. Ele costumava ser representado usando uma coroa dessas.

Nos triunfos, festejos dedicados a um general romano por suas vitórias, este desfilava pelas ruas num carro, com uma pessoa segurando uma coroa de louros sobre a sua cabeça; a partir daí, ele tinha o direito a usar a coroa quando quisesse.

Dizem as fofocas que Júlio César usava a sua quase sempre, para disfarçar a sua calvície, da qual ele tinha vergonha.

SEQUOIA  –   esta é uma árvore altíssima, chegando a ultrapassar os cem metros. Ela recebeu o nome de um índio norteamericano que viveu entre 1770 e 1843, Sequoya. Nosso amigo era um pensador; chegou à conclusão de que o poder do homem branco vinha da sua capacidade de usar um idioma escrito. E provavelmente tinha razão. Vai daí que Sequoya passou doze anos fazendo um alfabeto com 86 letras para representar os sons do idioma Cherokee. E que, aliás, foi um sucesso, pois em seguida se começou um jornal nesse idioma e foi feita uma Constituição para o seu povo. Agora ele está merecidamente eternizado naqueles enormes vegetais.

EUCALIPTO  –  seu nome foi feito a partir do Grego eu-, “bem”, mais kalyptós, “coberto”, de kalyptein, “cobrir, tapar”, devido à cobertura dos seus frutos, que se apresentam como que protegidos por uma tampa
em seus pequenos alojamentos.

ARAUCÁRIA  –  Esse nome vem da Província de Arauco, no Chile, onde há espécies nativas da árvore. E o nome do lugar vem do Mapuche arauco, “água barrenta”.

 

Resposta:

CABELOS

 

Me-ni-nas! Parem com isso, larguem os cabelos umas das outras! Basta eu me virar para o quadro-negro para se formar às minhas costas uma turbamulta de moçoilas se puxando mutuamente os apêndices capilares. E o meninos, que deveriam agir como cavalheiros e apartá-las, ficam só olhando, se divertindo e dando risadas, olha aí!

Nem quero saber por que foi que a presente guerra começou entre vocês; larguem umas das outras, ajeitem-se e vamos ouvir um pouco de Etimologia, que só assim vocês se aquietam.

Para começar, cabelo vem do Latim capillus, “cabelo” mesmo, que deve se relacionar a caput, “cabeça”, que é onde costuma estar o dito cujo.

Existe uma coisa chamada capilé, que pode ser um suco de avenca ou, mais genericamente, um refresco de frutas, ou mesmo um tipo de bebida alcoólica.

Pois esse nome, apesar de ter esse som tão africano, é do Latim: veio do Francês capillaire, “suco feito com a capilária, um tipo de avenca, que deriva de capillum por lembrar uma cabeleira.

Seja como for, Tia Odete recomenda fortemente vocês a não tentarem fazer caldos e sucos de nenhuma planta. Uma assustadora percentagem delas é tóxica e eu não quero ter que comparecer a nenhum enterro.

Não preciso explicar que cabeleira vem de “cabelo”, imagino eu. Sei que vocês são mais inteligentes do que parecem.

Mas esta palavra tem um sinônimo pouco conhecido, coma.

Não ouvi, pode repetir, Valzinha? Sim, o seu vizinho de condomínio está em coma desde que o marido da vizinha que ele visitava todos os dias quando ficava sozinha para fazer massagens nas costas desconfiou do bem-estar que ela apresentava ultimamente, chegou mais cedo em casa e os pegou em plena massagem…

Tá bem, tá bem, mas você se refere a outra palavra, que vem do Grego kôma, “sono profundo”.

E favor não falar mais nessas coisas que estão sempre acontecendo com seus vizinhos. De minha parte acho que os seus pais deveriam se mudar de lá.

Coma, sinônimo de “cabeleira”, vem do Latim coma, do Grego kóme, “cabeleira” mesmo.

Há uma bonita história sobre uma coma. A rainha do Egito, Berenice II, prometeu dedicar à deusa Afrodite o seu cabelo se seu marido, Ptolomeu II, voltasse sem danos de uma batalha.

Tendo ocorrido isso, ela cumpriu o prometido, cortou o  cabelo e o colocou no altar da deusa.

No dia seguinte, o cabelo tinha desaparecido e o astrônomo real apontava o surgimento de uma nova constelação no céu, que até hoje se chama Coma Berenices, “a cabeleira de Berenice”. Não é bonita a história?

Se foi verdade mesmo? Bem, a alternativa é que algum puxa-saco da Corte tenha dado sumiço nos cabelos, falado com o Astrônomo e inventado a história para deixar o casal real contente e com tendências à generosidade. O fato é que a constelação já existia, era a cauda do Leão.

E essa não a única ocorrência dos cabelos na Astronomia. Sabem os cometas, aqueles que quando vão aparecer prometem ser espetaculares e depois acabam sendo umas mixarias mal visíveis? Pois o halo de poeira e vapor que eles soltam e que os torna visíveis se chama coma, na parte situada junto ao núcleo. É como se fosse os cabelos soltos ao vento solar desse corpo celeste.

Não é lindo também?

Quando da conquista romana, uma parte de Gália era chamada Gallia comata, “Gália cabeluda”, pelo hábito de seus habitantes de usarem cabelos longos.

Mas esses apêndices da pele podem ser chamado também de pelos, do Latim pilus, provavelmente derivado de capillus.

Quando uma pessoa não tem lá muito cabelo, ela recorre à peruca. Este nome vem do Italiano parrucca, que se supõe que seja um cruzamento de pelo, “cabelo”, mais zucca, “abóbora”, também servindo para “cabeça”. Mas não assino embaixo, pois há controvérsias.

Esta comparação é boa, pois muitas pessoas não têm conteúdo que valha mais do que o de uma abóbora em seu crânio.

E o cabelo pode ser classificado como liso, do Latim lisius, “sem aspereza, liso”. Pode ser crespo, do Latim crispus, “ondulado, retorcido”. Ou ondulado mesmo, do Latim unda, “onda”, sendo que muito machos naufragaram neste tipo de onda sem água.

Pode ser louro, do Latim laurus, “da cor das folhas secas do loureiro”, castanho, da cor da castanha, que veio do Latim castanea, , o nome do fruto de cor amarronzada e pode ainda ter qualquer cor que se imponha à vontade da dona e exista na farmácia.

E agora, que as meninas perderam apenas uns poucos chumaços das suas comas e terminou a aulinha, vão todos para casa e cuidem bem dos seus cabelos.

Resposta:

etimologia

Palavras: louro , ruibarbo

Hi, people! Laureado vem de louro, certo? Aquela ridícula coroa na cabeça de Nero, nas pinturas, por exemplo.Mas de onde vem ESTE louro, a planta, nada a ver com louro, rubro, ginger (adoro essa palavra), ruivo. E ruibarbo? Bom domingo!

Resposta:

Tem a ver, sim. A planta, que era usada originalmente para a purificação, se chamava LAURUS em Latim. A comparação de cor foi feita a partir das suas folhas quando secas, quando elas adquirem uma coloração acastanhada-clara. Não lá muito loura, mas naquela época em que muitas definições eram imprecisas quebrava o galho.

Ruibarbo vem do Latim RHEUBARBARUM, do Grego RHA BARBARON, “ruibarbo estrangeiro”, onde RHA é o nome da planta (associado a RHA, o nome cita do rio Volga) e BARBARON quer dizer “de fora, estrangeiro”.

Essa planta era importada da China e do Tibete através da Rússia.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!