Em: Conversas com meu Avô

OFENSAS

 

Lá pelos meus doze anos, visitando meu avô em seu gabinete forrado de livros e de amabilidade, contei uma briga que tinha visto acontecer com uma vizinha de minha casa e outra pessoa, em plena calçada.

Iara, esse era o nome da vizinha, tinha acrescentado muito ao meu escasso repertório de palavras ofensivas. A capacidade que ela demonstrava em ofender era impressionante.

Disse meu avô:

– Pois é, meu caro, eu já tinha ouvido falar que essa pessoa inconveniente era muito mal-educada, apesar de ser uma pessoa que tem bastante estudo. Mas vejo que você não gostou da cena, e está certo quanto a isso. Já que estamos lidando com esse assunto, não vamos fugir dele e sim examiná-lo etimologicamente.

Por exemplo, ofensa. Esta palavra vem do Latim offendere, “atacar, desagradar”, formada por ob- “contra”, mais fendere, “investir contra, atacar”.

– Era isso mesmo que ela parecia estar fazendo, Vô!

– Ainda bem que só usou palavras, não paus e pedras. Ela deve ter dito também muitos insultos, do Latim insultare, “atacar, pular sobre”, de in-, “em, sobre”, mais salire, “pular”.

– Ela quase pulou sobre o pobre homem.

– Aposto que gostaria. E que ela usou de muitas calúnias, do Latim calumnia, “acusação malevolente, subterfúgio, disfarce”, de calvi, “enganar”.

Também aposto que não poupou desacatos, do Latim…

– Já sei, Vô! Tem a ver com catus, “gato”, como o senhor falou no outro dia.

O velho revirou os olhos para o alto, dramaticamente:

– Ó Senhor, por que não me poupas disto? Meu descendente acha que Etimologia é amontoar palavras parecidas! Olhe aqui, rapazinho, essa palavra vem de des-, com o sentido de “oposto, contrário”, mais capere, “tomar, agarrar”.

– Não peguei o sentido.

– O sentido é que se tira o que outra pessoa pegou; no caso, direitos, dignidade e outras miudezas.

– Percebi que ela xingou muito a pobre vítima. Mas não se preocupe, caro antepassado, eu posso explicar que esta vem do nome do Rio Xingu, onde as pessoas ficavam se dizendo palavrões de uma margem à outra, aproveitando que ele é muito largo e…

– Se eu acabar por estrangulá-lo tenho certeza de que o júri vai me liberar e ainda me condecorar quando souber que você abusou de um ancião. Esse verbo vem do Quimbundo xinga, “ofensa, desaforo, blasfêmia”.

E mais, vou-me queixar de você por desrespeito, de des- mais respeito, do Latim respectus, particípio passado de respicere, “olhar outra vez”, de re-, “de novo”, mais specere, “olhar”.

– Você está muito complicado hoje, não entendi bem a razão.

– A metáfora é de que algo que merece um segundo olhar tem qualidades que levam a uma atitude de consideração e reverência.

– Agora sim.

– Verdade? Que coisa inesperada… Mas, prosseguindo, vou falar de uma palavras que você provavelmente ainda não conhece, por serem pouco usadas.

Por exemplo, diatribe, que quer dizer “crítica severa, fala afrontosa”, do Latim diatriba, do Grego diatribein, “discurso, estudo”, literalmente “perda de tempo”, de dia-, “através”, mais tribein, “gastar, esfregar”.

– Gostei dessa ,Vô.

– Temos também invectiva, “palavras injuriosas”, do Latim invectivus, “o que reprova, desaprovador”, de invehi, “atacar com palavras”, formado por in-, “em”, mais vehere, “guiar, levar por um rumo”.

Isso para não falar em vitupério, “desonra, mancha na reputação”…

– Tem algo a ver com o Seu Vítor da venda? Viturpério?

– Pare de arriscar a vida, rapaz. Tem a ver com o Latim vituperare, “sujar, atribuir culpa”, de vitium, “vício, mancha”, mais parare, “providenciar, prover”. Trata-se de providenciar uma sujeira na vida alheia.

– É bem verdade que eu nunca tinha ouvido estas últimas.

– Eu imaginava. Para variar um pouco, vou falar sobre ultraje  –  e antes que você me venha com gracinhas, esta nada tem a ver com “traje”.

– Eu ia perguntar se era um traje ultravioleta…

– Baah para você. Ela quer dizer “ofensa grave, desacato” e veio do Francês antigo oltrage, “excesso, extravagância, comportamento violento”, do Latim ultraticum, “excesso”, de ultra, “além”.

– Agora me ocorreu uma, Vô: difamação.

– Muito bem, algum vocabulário você apresenta. Essa vem de diffamare, formado por dis-, no sentido de “estragar, destruir”, mais fama, “rumor, informação, reputação”, relacionado ao verbo latino fari, “falar”.

Falando nisso, ocorre-me injúria, do Latim injuria, “conduta fora da lei, injustiça”, de in-, negativo, mais jus, “direito, justiça”. Muitas vezes são ditas coisas que não são verdadeiras quando uma pessoa se descontrola ao falar.

E, para terminar, afronta, do Latim affrontare, “ofender, desrespeitar”, originalmente “bater na face”, da expressão ad frontem, “na face ou para a face”. Bater no rosto sempre foi uma ofensa muito grave.

Bem, meu caro, agora chega de falar em coisas que fazem mal às pessoas. Agora você vai me contar o que tem feito na aula.

 

¤ ¤ ¤