Em: Assunto da Edição

CONTRA O FRIO

  

O Brasil é um país com poucas áreas frias, seconsiderarmos todo o seu tamanho. Mas nestas, quando as temperaturas baixam, hánecessidade de colocar em uso diversas maneiras de combater essa sensação quepode acarretar sérios perigos à saúde. Vejam as palavras usadas nessas ocasiõese suas origens:

 

ABRIGO  –  usa-se tanto para designar uma proteçãoambiente, como o interior de um prédio, quanto para uma de cunho individual,como uma peça de roupa.

Vem do Latim apricare, “proteger-se do frio aquecendo-se ao sol”, de apricus, “exposto ao sol”.

 

agasalho  –  do Gótico gasalja, “camarada, companheiro”, no sentido de “abrigar,
acomodar, proteger”.

 

CASACO  –  de “casaca”, que veio da expressão italiana veste cosacca, “roupa cossaca”. E “cossaco” vem do Russo kozak, do Turco qaz, “andar sem destino”, que era coisa que eles aparentemente gostavam de fazer.

 

CASACÃO  –  obviamente vem de casaco; é uma peça mais longa e de tecido mais grosso.

 

PALETÓ  –  do Francês paletot, “casaco ou jaqueta de camponês”, do Inglês paltok, de origem desconhecida.

 

COLETE  –  usar um desses por baixo do paletó pode ajudar contra o frio. Deriva do Francês collet, “colarinho, gola”, de col, “pescoço”.

 

CACHECOL  –  do Francês cache-col, literalmente “esconde o pescoço”, já que essa
é a parte do corpo defendida pela peça.

 

JAQUETA  –  do Francês jacquet, “casaco curto com manga longa”. Uma das hipóteses é de que esse nome se teria originado de Jacques, o nome próprio usado para designar o camponês na França.

Outra é de que viria de jaque de maille, originalmente “cota de malha”, do Espanhol jaco, que viria do Árabe shakk, “proteção peitoral”.

 

MANTA  –  em algumas partes do país, o cachecol é chamado assim, do Latim mantum,
“manto, cobertura”.

 

BLUSA  –  do Francês blouse, de origem desconhecida.

 

SUÉTER  –  do Inglês sweater, “o que faz suar”, de to sweat, “suar”. A ideia não é essa, mas quando ele é de tecido muito espesso pode fazer suar mesmo.

 

PULÔVER  –  é o mesmo que um suéter, mas esta palavra vem do Inglês pullover, “colocar por cima”, pois é enfiada pela cabeça.

 

CAMISETA  –  nada como vestir uma por baixo, quando faz frio. Claro que deriva de “camisa”, que vem do Latim camisia, “roupa de dormir”, de “cama”. Até o século XIX, uma pessoa ser vista “em camisa” era um escândalo.

 

LUVAS  –  deriva do Frâncico lofa, “palma da mão”, embora normalmente cubra mais do
que isso.

 

GORRO  –  qualquer chapéu, quépi, etc. pode ser usado contra o frio. Mas um gorro de lã adere melhor à cabeça e a deixa mais quentinha. Sua origem é controvertida, havendo quem diga que vem do Basco gorri, “vermelho”.

 

GABARDINE  –  é uma espécie de casacão de tecido mais fino e em geral impermeável. Seu uso veio a partir dos casacos usados nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, que os fashionistas atuais chamam de trench-coat, “casaco de trincheira”.

A palavra é do Francês galvardine, “capa de peregrino”, que veio do Germânico wallevart, de wallen, “errar, vagabundear, andar sem destino”, mais fahren, “jornadear, viajar”.

 

EDREDOM  –  depois de um dia frio, nada como se abrigar na caminha macia, por baixo
de uma coberta acolchoada destas.

O nome vem do Francês édredon, do Islandês aedar-dun, “plumagem macia de pássaro”.

Inicialmente, eles eram feitos com plumas de certas aves, agora são recheados com fibras de derivados de petróleo mesmo.

 

LAREIRA  –  quando uma casa tem lareira e faz frio, nada como um bom tempo gasto olhando o misterioso fogo e tendo, sem o saber, lembranças de quando éramos poucos e vivíamos em cavernas.

A palavra vem do nome dos deuses romanos Lares, que protegiam cada família em sua casa e eram simbolizados pelo fogo aceso em cada domicílio.
Deles também vem nossa abençoada palavra lar.

 

 

 

 

 

 

 

 

¤ ¤ ¤