Em: Consultório Etimológico

voltei

… numa prova, ainda na escola, eu escrevi ALBÚRNEO mas nem me lembro o motivo. Talvez minha mania de palavras. A professora fez uma cara de estranheza que me fez sentir vergonha. Ela perdurou muito tempo e como já contei parei de usar palavras à vontade. Mas já perdi isso, passou, volta só quando eu mesma travo. Digo isso pq existe diferença entre pedantismo e genuíno interesse em aprender seja o que for.
Queria perguntar sobre uma palavra pela qual tenho antipatia: expertise.
éx-pâr-tai-ze? ezpertíse? ARGH!

Resposta:

Pois acho que quem tem razão é você; sua mestra demonstrou não estar à altura da situação. Nós aqui da Redação usamos palavras pouco conhecidas sem temor, já que achamos que ensinar e aprender é bonito.

Você talvez lhe devesse dizer que albúrneo ou alburno, “parte clara entre a casca e o cerne das árvores” vem do Latim ALBUS, “claro, branco”.

Essa palavra passou do Francês para o Inglês e se pronuncia à francesa. Vem do Latim EXPERIRI, “testar, experimentar”, formado por EX-, “fora”, mais uma base verbal PERI-, “provar, experimentar”.

Não precisamos dela em nosso idioma, pois podemos usar “experiência, perícia”.

Tia Odete passou por aqui muito contente, não sabemos por que.

¤ ¤ ¤