Em: Assunto da Edição

MUDANÇAS

O verbo latino mutare significa “mudar, trocar de lugar, alterar”. Deriva de uma raiz Indo-Europeia mei-, “mudar, trocar”.

Ela foi muito prolífica e originou numerosas palavras que, hoje, não nos permitem imaginar que distância elas percorreram para que as possamos usar diariamente.

 

 

MUDAR  –  veio-nos diretamente do Latim mutare.

 

ameba  –  o que é que este microrganismo  tem a ver com mudanças? Muito, vejam só: seu nome veio do Grego ameibein, “mudar, transformar-se”, que passou por amoibaios, “aquele que muda”. E é isso que ela vive fazendo, pois a sua membrana externa se adapta às mais diversas formas enquanto ela se desloca para fazer as suas ocupações no seu mundinho.

 

MEATO  –  esta palavra se usa em Anatomia para nomear uma passagem que dá saída a líquidos num corpo, como em “meato urinário”.

Veio do Latim meatus, “rota, passagem” e, por estranho que pareça, também vem da fonte mei-, pelo verbo meare, “ir, passar”.

 

PERMEAR  –  pelo menos está é parecida com anterior. É do Latim permeare, “penetrar”. Forma-se de per, “através”, mais meare. Ou seja, descreve um material que permite a passagem de algo através de si.

Não é difícil perceber que permeável é outro derivado.

Acrescentando-se o prefixo negativo in-, formamos impermeável.

 

MIGRAR  –  do Latim migrare, “trocar de posição, mudar de residência”.

A partir de migrare temos emigrar, de ex-, “para fora”, mais migrare.

Também usamos imigrar, de immigrare, “passar por”, de in-, “para dentro”, mais migrare.

Isso para não citarmos transmigrar, de transmigrare, “passar de um lugar para o outro”, esta com o prefixo trans, “além, atravessado, através”.

 

MÚNUS  –  nem parece pertencer ao nosso idioma, não? Mas pertence e significa “tarefa, dever, obrigação, encargo”. Veio sem alteração do Latim munus (fora o acento, que eles não tinham), “emprego, cargo, ofício”.

Gerou munera, “funções oficiais”. Em Roma os cargos públicos eram obtidos através de influências e compras, não por concurso; achamos que é por isso que daí resultou o verbo munerare, “presentear, recompensar”.

Este verbo hoje é representado por remunerar, com o prefixo re-, intensificativo.

 

MUNICÍPIO  –  vem do elemento muni-, com a idéia de “obrigações”.

Assim, municeps, “aquele que faz parte dos que têm obrigações, deveres”. Ou como dizemos agora, munícipe, usado para citar alguém que faz parte de um município, com os direitos e deveres inerentes.

Se bem que dos deveres poucos fazem questão.

 

MUNÍFICO, MUNIFICENTE  –  mais umas palavras pouco usadas agora.  São sinônimas e querem dizer “generoso, o que presenteia, magnânimo”. Adquiriram o significado apenas do lado altruísta da origem, esquecendo o das obrigações.

 

IMUNE  –  do Latim immunis, “livre ou dispensado de uma obrigação ou serviço público”. Formou-se por in, negativo, mais munus.

Seu significado se estendeu para abranger a liberdade de outras coisas, como por exemplo o ataque de microrganismos.

 

COMUM  –  do Latim communis, “comum, geral, compartilhado por muitos, público”. A fonte mei-, com a ideia de “trocar” gerou esta noção de “trocar entre várias pessoas”, ou seja, “tornar de todos”.

 

MÚTUO  –  do Latim mutuus, “recíproco, de um para outro”, também com a ideia de troca entre duas partes.

Daqui temos também a nossa conhecida mutação, que nos dá a imagem de “troca, mudança entre componentes”.

E mais, temos o comutador, do Latim commutare, “mudar, trocar, substituir”, usando o prefixo com-, “junto”; trata de algo que efetua mudanças, por exemplo, em aparelhos elétricos.

E de commutare aparentemente veio escamotear, passando pelo Espanhol camodar, “fazer jogos de mãos”.

 

EXCOMUNGAR  –  do Latim excommunicare, “retirar da comunidade”, de ex-, “fora”, mais communitas, “conjunto de pessoas, comunidade”, de communis, “comum”.

 

¤ ¤ ¤