Em: Assunto da Edição

TEATRO

  

Ir ao teatro é, há milênios, uma atividade cultuada por grande parte da Humanidade. É uma forma de contar histórias e passar valores através da representação por meio de atores, bem como de contemplar a ação dos sentimentos, próprios ou alheios.

Dele derivam o nosso rádio, cinema e a televisão. Não é pouco!

Vamos então olhar as origens de palavras a ele relacionadas.

TEATRO – do Latim theatrum, do Grego theatron, literalmente “lugar para olhar”, de theasthai, “olhar”, mais  –tron, sufixo que denota “lugar”.

O sentido inicial de “prédio onde são realizados espetáculos” passou depois a ter maior alcance, designando peças, produção, a preparação de uma peça teatral em geral.

O sentido de “lugar onde transcorre a ação” se aplicou também aos feitos militares, daí o nome “teatro de operações” para uma área onde há luta armada.

anfiteatro – Do Latim amphiteatrum, do Grego amphiteatron, “local de espetáculos duplo, com espectadores dispostos de ambos os lados do palco”, de amphí-, “dos dois lados”, mais theatron. Inicialmente os teatros possuíam assentos apenas no lado voltado para o palco. É ainda o caso da maioria ou todos os nossos teatros atuais. A disposição em anfiteatro é usada para estádios esportivos.

COMÉDIA – do Grego komoidia, “espetáculo divertido, comédia”, de komodios, “cantor em festas”, de komos, “festa, farra”, mais oidos, “poeta, cantor”.  

Comédia passou por uma fase em que era usada para designar “poema narrativo”, o que é a razão de o livro “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, ter esse nome.  Quem leu sabe que ela nada tem de engraçado.

TRAGÉDIA – do Grego tragoidia, “peça ou poema com final infeliz”. Aparentemente deriva de tragos, “bode”, mais oidea, “canção”. E isso viria do drama satírico, onde os atores se vestiam de sátiros, com suas pernas cabeludas e chifres de bode. 

DRAMA – do Grego drama, “peça, ação, feito” (especialmente relativo a algum grande feito, fosse positivo ou negativo), de dran, “fazer, realizar, representar”.

PLATEIA – ao que tudo indica, deriva do Grego platea, “largo e plano”. Inicialmente designava o lugar onde ficavam os músicos e se estendeu depois, em prédios diferentes dos teatros gregos, à parte onde tomam assento os espectadores.

PALCO – do Italiano palco, “estrado, tablado”, do Lombardo palko, “trave, viga”. Seu sentido se estendeu depois ao de “tablado sustentado por vigas” e mais tarde a “estrado para apresentações artísticas”.

CENA – do Latim scaena, “palco, cena”, do Grego skena, de mesmo significado, originalmente “tenda, cabana”, relacionado a skia, “sombra”, pela noção de “algo que protege contra o sol”.

Existe um animalzinho cujo nome tem origem comum com esta palavra: é o esquilo, do Grego skia, “sombra”, e ourós, “cauda”. Dizia-se que sua cauda era tão ampla que podia provê-lo de sombra num dia quente.

PROSCÊNIO – é a parte anterior do palco, que se projeta para fora da cortina, e deriva do Latim proscenium, de pro-, “à frente”, mais scaena.

PEÇA – do Francês antigo pièce, do Frâncico pettia, “medida, porção, parte”.

ATO – uma peça teatral pode ter vários atos, palavra que vem do Latim actus, “algo feito, parte de uma obra, impulso”, de agere, “levar a, guiar, colocar em movimento”.

PÚBLICO – sem ele não há teatro. Vem do Latim publicus, “relativo ao povo”, de populus, “povo”. Também adquiriu o significado de “aberto a toda a comunidade”, em oposição a “privado”.

FÃS – e sem estes não há ator que sobreviva. “Fã” é um encurtamento de “fanático”, que veio do Latim fanaticus, “louco, entusiasta, inspirado por algum deus”, originalmente “relativo a um templo”, fanum. Quem não atendia a certas exigências  religiosas estava “à frente” do templo, ou seja, fora dele: profanum, que originou nosso “profano”.

CAMAROTE – é um diminutivo de “câmara”, derivado do Latim camara, “quarto com teto recurvo”, do Grego kamara, idem, de uma base Indo-Europeia kam-,  “arco”.

CORO – do Latim chorus, “dança em círculo, grupo de pessoas que cantavam numa tragédia”, do Grego khoros, “grupo de dançarinos, dança, piso para dançar”, de uma fonte Indo-Europeia gher-, “rodear, enlaçar”.

A extensão de sentido de “dança” para “canto” se deu quando, em certos dramas, o coro passou a expressar verbalmente reflexões derivadas dos sentimentos morais e religiosos que faziam parte do enredo.

¤ ¤ ¤
Em: Consultório Etimológico

Oi, Gostaria de saber a origem das seguintes palavras:

soturno

lúgubre

anfiteatro

obtemperar

aduzir

P.S: Sei que o site é primodialmente referente a origem de palavras e não de sentenças, porém páira em minha mente a curiosidade quanto a origem da expressão: “quem tem padrinho não morre pagão” que também já vislumbrei na forma de: “quem tem padrinho não morre mouro”. Destarte, se estiver dentro de vossas possibilidades gostaria que me elucidasse a origem desta afirmação, pois presumo que seja algo referente ao período medieval de conflitos entre mouros e cristãos, talvez na península ibérica ou em outro luar no espaço (O que depreendo principalmente pela segunda expressão).

GRATO !

Resposta:

1)  2) Olhe a Lista de Palavras.

3) Do Latim AMPHITEATRUM, do Grego AMPHITEATRON, “local de espetáculos duplo, com espectadores dispostos de ambos lados”, de AMPHÍ-, “dos dois lados”, mais THEATRON, de THEASTHAI, “olhar para”. Inicialmente os teatros possuíam assentos apenas no lado voltado para o palco.

4) Do L. OBTEMPERARE, “atender, obedecer”, de OB-, “à frente”, mais TEMPERARE, “observar a justa medida, moderar-se, conter-se”.

5) Do Latim ADDUCERE, “conduzir, levar a, fazer comparecer perante a Justiça”, de AD, “a”, mais DUCERE, “levar, guiar”.

Quanto às expressões, elas estão fora de nosso alcance mesmo.  Mas sua hipótese parece correta.

¤ ¤ ¤