Em: X-8 Detetive Etimológico

GRADUS

Um escritório empoeirado e com aspecto desleixado. Móveis com pelo menos cinqüenta anos, muito mal conservados, arranhados e com teias de aranha.  Um sujeito usando chapéu desabado e gabardine enorme, sentado atrás de uma escrivaninha sobre a qual daria para jogar futebol.

Ele luta para ocultar sua emoção, que demonstrá-la para as palavras clientes pega mal. Mas se sente realmente tocado pela presença de mais uma cliente antiga, vinda diretamente da época em que o idioma falado em Roma dominava o mundo ocidental conhecido.

A nobre cliente, elegantemente sentada num antigo banco de churrascaria é a palavra Gradus, a quem o corajosíssimo detetive etimológico explica:

– Sim, minha senhora, sua descendência é das mais fartas em nosso idioma e em vários outros europeus. Sua influência se faz sentir nas mais diversas áreas.

Para começar, vamos lembrar que seu significado em Latim é “passo, deslocamento numa série, ponto numa escala”, relacionado com o verbo gradi, “caminhar, dar um passo, ir”, derivado do Indo-Europeu ghredh-.

Falando aleatoriamente dos seus netos cito, para começar, grau. Esta palavrinha tão curta pode significar “uma das divisões do ensino oficial” (como: este aluno é do segundo grau) ; “intensidade de uma situação” (o grau de corrupção está insuportável); “divisões de uma escala” (fazia vinte graus Celsius – ou centígrados – naquele dia); e muitas outras que não vou citar agora para não tornar demasiado cara sua consulta.

Um pequeno acréscimo a esta já forma a palavra degrau, que vem do Latim degradus, “diferentes níveis de uma escada”.

Falando nisto, uma palavra muito parecida mas com outro significado é degradar, de dis-, “fora, para baixo”, mais gradus; quando uma pessoa desce de nível numa hierarquia, ela foi degradada. Pode-se dizer o mesmo de uma situação que desandou ou de uma cidade muito maltratada.

Há também um uso mais técnico com a palavra gradiente, “variação de uma grandeza”, muito usado em Física e Química.

Quando alguma coisa varia de modo regular, sem grandes saltos, dizemos que ela mudou gradualmente.

Ao fazermos uma receita, precisamos saber antes quais os ingredientes necessários. Ora, essa designação vem de ingrediens, “o que caminha para a frente”, daí “o que entra, o que faz parte”.

Veja, além dos laboratórios, suas descendentes habitam as nossas cozinhas também!

Já que falamos em “para a frente”, podemos citar anterógrado e retrógrado, respectivamente “o que anda para a frente”, de ante-, “para adiante”, e “o que vai para trás”, de retro-, “para trás”. Elas têm bastante uso em Biologia e Medicina.

Quando uma pessoa sai de uma faculdade, de um grupo, de uma cadeia, diz-se que ela é uma egressa dali. Sua formação é o Latim ex-, “fora”, mais o verbo gradi.

Mas, se essa pessoa quiser voltar a esse ponto do qual se afastou, diz-se que ela regressou: de re-, “para trás, de volta”, mais gradi.

Se ela estiver brava por alguma razão e partir para o enfrentamento verbal ou físico, diz-se que ela agrediu alguém, palavra que se forma por ad-, “a, junto, para perto”, mais o antigo verbo que significa que ela “andou para”, ou seja, aproximou-se  –  infelizmente com más intenções.

Se algum professor anda com dificuldades em manter o foco de suas palestras, diz-se que ele está tendo digressões, palavra que se formou começando por dis-, “fora, afastado”: ele se distancia da parte do assunto que interessa.

Em Zoologia temos categorias de animais como digitígrado, “o que anda sobre os dedos” – como é o caso do gato e do cão – e plantígrado, “o que caminha sobre a planta dos pés”, como o urso e o ser humano.

Graduado é, nas Forças Armadas, um sargento ou subtenente; na vida civil também é aquele que concluiu um curso universitário. Este, no último ano do curso, pode ser chamado também de graduando.

E grado é uma medida de ângulo, onde se considera que a circunferência tem quatrocentas divisões em vez dos trezentos e sessenta graus (mais uma netinha sua aí) geralmente usados em Geometria.

Por ora é o que me ocorre para lhe dizer, minha senhora. Se quiser acertar meus humildes honorários antes de sair, sentir-me-ei muito honrado.

Uma das coisas que X-8 sabe fazer é cobrar pelos seus serviços. Graças a isso, sua poupança está em boa forma e ele já planeja fazer uma viagem à Europa para catar novas palavras e novas aventuras.

Ele está contente com a entrevista desta noite. Falar com uma palavra de tanta importância é para poucos.

O momento pede um bom copo de uísque e um cigarro lançando lentamente sua fumaça azulada no ar.

Mas ele não bebe nem fuma. O que é uma desvantagem para um detetive.

¤ ¤ ¤