Em: X-8 Detetive Etimológico

PARÂMETROS GEOMÉTRICOS

 

O detetive das Palavras, X-8, está terminando com satisfação uma torrada no bar do Garcia, que fica em frente ao Edifício Éden, onde ele tem seu escritório.

Embora feita numa cozinha que dificilmente seria aceita em qualquer pequena vila do mais subdesenvolvido país do mundo, a torrada tem um sabor absolutamente delicioso. Quanto ao seu conteúdo nos omitiremos, pois pode haver pessoas sensíveis na platéia.

Seja como for, desde o começo da insalubre refeição X-8 havia notado que uma palavra estava numa mesa próxima, embebedando-se profundamente com refrigerantes. Misturava todos os tipos, engolia com desespero e demonstrava ser portadora de grande sofrimento.

Depois de recolher a última migalha do seu prato, o detetive pediu licença para sentar à mesa da palavra, que era Geometria.

– Com licença, prezada palavra. Não pude deixar de notar que há alguma coisa errada com você. Sendo eu, deixando de lado quaisquer sentimentos de modéstia, uma pessoa de fama mundial no trato de palavras e suas origens, gostaria de saber se posso fazer algo para ajudar. Minha dedicação às palavras é tão grande que aceito pagamento em diversas moedas e cartões de crédito.

A palavra se espantou. Não esperava encontrar tão ilustre profissional em pessoa. Tomou mais um gole de guaraná e contou, entrecortadamente, o seu problema:

– Bebo para esquecer. Aqui onde me vê, eu, uma palavra de tanta importância para a Ciência, estou morrendo de vergonha porque outro dia me perguntaram as origens de determinadas variáveis e eu percebi que não sabia. Considerei seriamente me enforcar num poste de luz, mas palavras não têm pescoço e os postes de nosso bairro foram todos roubados há muito tempo.

O detetive, compadecido, respondeu:

– Seu problema está por ser resolvido, cara palavra. Diga a quais origens se refere e trataremos de dirimir suas dúvidas.

Geometria, ainda tensa, começou, timidamente:

– Que tal área?

– Ela vem do Latim area, “espaço aberto nivelado, lugar sem construções numa cidade”, possivelmente de arere, “ser ou estar seco”. Provavelmente você vai perguntar por superfície também, não? Esta vem Latim superficies, de super, “acima, sobre”, mais facies, “forma, aspecto”, ligado a facere, “fazer”.

– Hum. E agora, o que o senhor me diz de volume?

– Que veio do Latim volumen, de volvere, “ato de fazer rodar”; acabou se aplicando aos livros antigos, aqueles que eram de papiro e a gente precisava fazer girar na mão para ler. Como, no caso de um livro ser grande, ele ocupava mais espaço, a palavra volume acabou sendo aplicada a objetos que ocupam muito espaço e depois a uma grandeza física.

Comprimento, largura e altura?

– Todas do Latim. Respectivamente, de complere, “encher, completar”; de largus, “abundante, rico, solto”; e de altus, “alto, elevado”.

– Hum. E profundidade?

– Já que a maioria vem do Latim, vou parar de citá-lo de agora em diante. Esta vem de profundus, “vasto, fundo”, de pro-, “à frente”, mais fundus, “a parte de baixo, alicerce, área de terra”.

– Puxa, Seu X-8, já estou bem mais animada. Pode falar sobre espaço e dimensão?

– A primeira é de spatium, “espaço, lugar, lapso de tempo”. A outra, de dimensio, “dimensão, medida”, do verbo dimetiri, “fazer uma medida”, formado por dis, “movimento para fora”, mais metiri, “medir”, do Grego metron, “medida” do Indo-Europeu me-, “medida”.

– Vamos para aresta?

– Esta é de arista, “barba de espiga de trigo, aresta”, pela capacidade cortante que ela tem.

– E raio e diâmetro?

Raio vem radius, “vareta de roda, bastão, raio de luz”.  E diâmetro, do Grego dia, “através”, mais o metron de que recém falamos.

– Que tal perpendicular?

– De perpendicularis, “vertical como a linha de chumbada do pedreiro”, de perpendiculum, “linha com peso na ponta”, de perpendere, “balançar com cuidado”, formado por per-, “completamente”, mais pendere, “pendurar, sopesar”. Mais complicadinha, não?

– Mas muito legal. Falando nisso, e normal, como “reta perpendicular a uma outra ou a um plano”?

Ela vem do Latim normalis, “de acordo com a regra”, originalmente “feito de acordo com o esquadro do carpinteiro”, que era chamado norma e se usava para marcar ângulos retos. Passou a designar tanto “o que está na perpendicular” como “o que segue o padrão”.

Mas este de que falamos é o substantivo; o adjetivo normal se usa para falar de algo que está de acordo com o que se espera.

– E parâmetro?

– Do Grego para-, “ao lado”, mais metron.

– Ponto?

– De punctus, “ponto, picada”, particípio passado de pungere, “fincar, espetar, picar”. Uma espetada com algo agudo faz uma marquinha muito pequena, que nem um ponto de escrita.

– Senhor detetive, estou outra agora! Mal posso esperar para voltar para casa e dizer que larguei a bebida e…

– Epa, um momento. Por lei, é proibido usar os serviços de um profissional de minha importância sem pagar. Isso dá cadeia das mais fétidas.

– M-mas eu estou quase sem dinheiro!

– Muito bem, eu me satisfaço parcialemente em saber que salvei uma palavra das vascas da depressão. Faremos o seguinte: esquecerei a sua dívida se você pagar a pequena refeição que acabei de fazer.

E saiu, com a barriga pesada mas muito satisfeito, deixando a conta de seu lanche na mesa da cliente.

 

¤ ¤ ¤
Em: Assunto da Edição

COISAS QUE ESPETAM

 

Muitas vezes a gente pega algo que causa uma lesão punctória, cortante ou pérfuro-cortante em nossa pele. Trocando em miúdos: que nos espeta ou corta. Vamos dar uma olhada nas palavras que expressam essa capacidade de nos fazer gastar em band-aids.

 

AGUDO  –  do Latim acutus, “pontudo, aguçado”, de acuere, “fazer ponta em”.

O sentido médico de “moléstia que surge e desaparece repentinamente”, em oposição a “crônico”, começou ao redor de 1660.

Usa-se figurativamente em relação a uma inteligência que penetra uma situação como se atravessasse barreiras.

 

ACUIDADE  –  também de acutus; pode referir-se à inteligência, como citamos na última
frase, ou à capacidade de órgãos sensoriais ou mesmo aparelhos de medida.

 

PONTUDO  –  do Latim punctum, particípio passado de pungere, “fincar, espetar”. Este verbo originou nossa palavra pungente, “aquilo que desperta uma sensação física aguda, intensa”.

 

AFIADO  –  do Latim affilare, de ad-, “a”, mais filum, “fio”. Ou seja, fazer algo se assemelhar a um fio, estreitar a ponto de tornar cortante.

 

CORTANTE  –  do Latim curtare, “encurtar, reduzir, cortar”, de curtum, “curto”.

 

LÂMINA  –  do Latim lamina, “folha, camada, prato, peça achatada de metal”, de origem anterior desconhecida.

 

aresta  –  do Latim arista, “barba de espiga de trigo, aresta”, pela capacidade cortante daquela.

 

ESPINHO  –  do Latim spina, “espinho”. Passou a significar também em Latim, mais tarde, “coluna vertebral”, daí a nossa espinha dorsal.

 

ACÚLEO  –  é aquele das rosas, que nos espeta quando levamos essas flores para nossas namoradas. Veio do Latim aculeus, “aguilhão, ferrão”, provavelmente por relação
com acutus.

Favor não confundir “espinho” com “acúleo”; aquele é um órgão que vem do fundo do tronco ou galho e só pode ser arrancado lesionando a planta; o acúleo pode ser retirado sem dificuldade e sem maiores danos.

 

AGULHA  –  deriva do Latim acus, “agulha, alfinete”, e também se relaciona com acutum.

 

ALFINETE  –  veio do Árabe al-filed, “alfinete”, com provável mistura com a palavra “fino”.

 

PRESA  –  com o sentido de “dente canino de certos animais”, vem do Latim prehendere, “prender”, pois elas servem para prender o animal caçado na boca do predador.

 

FERRÃO  –  deriva do Latim ferrum, “ferro”, pois este metal se presta para fazer
instrumentos aguçados.

 

AGUILHÃO  –  veio do Latim aquileo, um derivado de aculeus.

 

FINCAR  –  do Latim figicare, “cravar, fincar”. O exército romano conjugava muito este verbo quando partia em campanha.

 

ESPETAR  –  atualmente um espeto serve basicamente para fazer churrasco. Mas espetar em outras épocas descrevia coisas desagradáveis que uma lança pode fazer com o corpo humano. Deriva do Gótico spitus, “espeto, pique”.

 

 

¤ ¤ ¤