Em: Assunto da Edição

Crimes

Existe um nome para tudo, inclusive as malfeitorias que os seres humanos fazem uns com os outros.

Lidaremos agora com as origens das palavras que designam essas coisas feias.

Lembrem-se, não tentem fazer isso em casa. Nem fora dela.

CRIME – do Latim crimen, “ofensa, acusação”, de cernere, “escolher, decidir, separar”, da base Indo-Européia krei-, “peneirar, discriminar, distinguir”.

ROUBO – do antigo Francês rober, do antigo Germânico raub, “romper, quebrar”. Provavelmente eles estavam acostumados a quebrar as cabeças que estivessem no caminho sempre que resolviam se apoderar ilicitamente de algo.

FURTO – do Latim furtum, “objeto roubado, atividade ilícita, roubo”, de fur, “ladrão”. Em certa época, a palavra fur foi aplicada ao Diabo, por ser ele um ladrão de almas.

assalto – veio do Latim adsaltus, “ataque, assalto”, de adsalire, formado por ad-, “a”, mais salire, “saltar, pular sobre”.

PUNGA – do Lunfardo, dialeto dos malandros de Buenos Aires, derivado do Italiano meridional punga, “bolso”.

CLEPTOMANIA – do Grego kleptes, “ladrão”, de kleptein, “roubar, agir em segredo”, mais mania, “loucura”.

SEQÜESTRO – veio do Latim sequester, “mediador, pessoa de confiança”, do verbo sequi, “seguir”. Pelo fim do século XV mudou o sentido para “apossar-se por meios autoritários, confiscar”.

PLÁGIO – do Grego plagion, “inclinado, o que usa métodos oblíquos, não corretos”.

PIRATA – deriva do Grego peirates, “assaltante, ladrão”, de peiran, “atacar, hostilizar”.

CHANTAGEM – vem do Francês chantage, “obter dinheiro mediante ameaça”, de chanter, “cantar”, do Latim cantare, “cantar”. Primeiro foi usado no sentido de “ceder a elogios” e depois como “atender a pressões ilícitas”.

FRAUDE – deriva do Latim fraus, “engano, mentira, ofensa”.

¤ ¤ ¤