Em: Consultório Etimológico

madness

Eu já procurei algures (rs), mas a explicação que me deram é tão fajuta e tosca que chega a ser ridícula: http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/fundamentos/pronomes-obliquos-tem-esse-nome-quais-regras-utliza-los-428232.shtml. Nesse site, eles falam que os romanos usavam o casus rectus, mas não dizem o essencial: o porquê de eles darem esse nome a tais pronomes. Vai que a beliscadinha funciona! Nunca se sabe. E, voltando ao que interessa, de onde vêm LEVITAR, atribular, INFETO, ÍNGREME e HUGUENOTE (última)? Quanto à inteligível e a sua variante “errada” “intelegível”, o povo tem lá as suas desculpas: 1) associação com legível [“que se pode ler com facilidade”]; e 2) vem de legere, e não ligere, o que reforça ainda mais a escrita com e. Eu sei, eu sei: em latim, escreve-se intelligibilis, e não intellegibilis, mas curiosamente legível se escreve legibilis, e não ligibilis (que horror!). Ainda vou ficar louco com essas coisinhas…

Resposta:

A gente sabia que v. ia gostar de “algures”.

1) Do Latim LEVIS, “liso, leve, com pouco peso”.

2) Do L. atribularE, “quebrado, esboroado”, formado por AD, “a”, mais TRIBULARE, “apertar, comprimir”, relacionado a TERERE, “esfregar, apertar”.

3) É o mesmo que infecto; do L. INFECTUS, particípio passado de INFICERE, “corromper, estragar, contaminar, mergulhar num corante”, de IN, “em”, mais FACERE, “fazer”.

4) Origem incerta.

5) Possivelmente uma mistura de HUGHES, personagem político na Genebra da época, mais o Alemão Suíço EIDGENOSS, “confederado” (um opositor à anexação por Savoia).

¤ ¤ ¤