Etimologia
O que é isso?

Estamos todos, a esta altura da História, razoavelmente habituados à Teoria da Evolução no que se refere aos seres vivos. No entanto, habitualmente não pensamos que as palavras que usamos todos os dias se comportam como seres vivos.

Mas a verdade é que elas obedecem a ciclos evolucionários: nascem, se desenvolvem, têm um apogeu e muitas vezes morrem, caindo em desuso ou desaparecendo – às vezes juntamente com o idioma inteiro.

Ao longo da sua vida, muitas vezes o seu sentido se altera profundamente. O mesmo pode acontecer com a sua forma. Alguém poderia desconfiar que o Inglês quick – “rápido”, hoje em dia – tem uma origem comum com o Latim vivus, que originou a nossa palavra "vivo"?

Os estudos atualmente apontam para a origem comum do ser humano. Era de esperar, portanto, que um estudo regressivo dos idiomas comprovasse que as diversas línguas hoje faladas apresentam pontos em comum.

Dada a falta de registros históricos, seja por terem sido destruídos, seja por ainda não existir uma escrita na época, estamos impossibilitados de realizar descobertas que se comparem ao que a Arqueologia moderna vem obtendo recentemente.

Mas podemos, isso sim, descobrir muitos dos passos dados pelas palavras que usamos com tanta facilidade no nosso dia a dia, alguns com uns poucos milhares de anos de idade.

O estudo da origem das palavras, a Etimologia (do Grego ethymon, “verdade”) é uma atividade fascinante. Fascínio que não deixa de acarretar alguns perigos, no entanto.

Lidar com Etimologia tem um sério potencial aditivo. Uma vez instalado o vício, não há tratamento possível: a vítima se torna ansiosa por saber mais e mais da origem das palavras, tornando-se uma devoradora de dicionários e livros sobre o assunto.

Só sossega quando está a pesquisar alguma coisa abstrusa; fica feliz como rato no queijo quando descobre uma informação especialmente interessante.

Existe até um teste para ver se a pessoa tem tendência a se viciar em Etimologia. Basta dar a ela um dicionário etimológico, pedir que ela procure uma palavra qualquer e observar.

Se ela não consegue chegar logo na palavra proposta porque pára no meio do caminho para ler a origem desta e daquela outra palavra, ela tem um risco sério de se viciar. Se, pelo contrário, ela vai direto à palavra, informa qual a origem e fecha o livro, está livre do perigo de malversar o seu tempo aprimorando a cultura.

Desde já informamos que, mesmo nas secções de aspecto mais humorístico, todas as informações que damos sobre a origem de uma palavra são cuidadosamente pesquisadas e revisadas antes de irem para a edição.

A humildade nos obriga a lembrar sempre que, como em tantos ramos do conhecimento, nossas fontes podem falhar em alguns pontos, eventualidade pela qual desde já pedimos desculpas.