Palavra comédia

TEATRO

  

Ir ao teatro é, há milênios, uma atividade cultuada por grande parte da Humanidade. É uma forma de contar histórias e passar valores através da representação por meio de atores, bem como de contemplar a ação dos sentimentos, próprios ou alheios.

Dele derivam o nosso rádio, cinema e a televisão. Não é pouco!

Vamos então olhar as origens de palavras a ele relacionadas.

TEATRO – do Latim theatrum, do Grego theatron, literalmente “lugar para olhar”, de theasthai, “olhar”, mais  –tron, sufixo que denota “lugar”.

O sentido inicial de “prédio onde são realizados espetáculos” passou depois a ter maior alcance, designando peças, produção, a preparação de uma peça teatral em geral.

O sentido de “lugar onde transcorre a ação” se aplicou também aos feitos militares, daí o nome “teatro de operações” para uma área onde há luta armada.

ANFITEATRO – Do Latim amphiteatrum, do Grego amphiteatron, “local de espetáculos duplo, com espectadores dispostos de ambos os lados do palco”, de amphí-, “dos dois lados”, mais theatron. Inicialmente os teatros possuíam assentos apenas no lado voltado para o palco. É ainda o caso da maioria ou todos os nossos teatros atuais. A disposição em anfiteatro é usada para estádios esportivos.

COMÉDIA – do Grego komoidia, “espetáculo divertido, comédia”, de komodios, “cantor em festas”, de komos, “festa, farra”, mais oidos, “poeta, cantor”.  

Comédia passou por uma fase em que era usada para designar “poema narrativo”, o que é a razão de o livro “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, ter esse nome.  Quem leu sabe que ela nada tem de engraçado.

TRAGÉDIA – do Grego tragoidia, “peça ou poema com final infeliz”. Aparentemente deriva de tragos, “bode”, mais oidea, “canção”. E isso viria do drama satírico, onde os atores se vestiam de sátiros, com suas pernas cabeludas e chifres de bode. 

DRAMA – do Grego drama, “peça, ação, feito” (especialmente relativo a algum grande feito, fosse positivo ou negativo), de dran, “fazer, realizar, representar”.

PLATEIA – ao que tudo indica, deriva do Grego platea, “largo e plano”. Inicialmente designava o lugar onde ficavam os músicos e se estendeu depois, em prédios diferentes dos teatros gregos, à parte onde tomam assento os espectadores.

PALCO – do Italiano palco, “estrado, tablado”, do Lombardo palko, “trave, viga”. Seu sentido se estendeu depois ao de “tablado sustentado por vigas” e mais tarde a “estrado para apresentações artísticas”.

CENA – do Latim scaena, “palco, cena”, do Grego skena, de mesmo significado, originalmente “tenda, cabana”, relacionado a skia, “sombra”, pela noção de “algo que protege contra o sol”.

Existe um animalzinho cujo nome tem origem comum com esta palavra: é o esquilo, do Grego skia, “sombra”, e ourós, “cauda”. Dizia-se que sua cauda era tão ampla que podia provê-lo de sombra num dia quente.

PROSCÊNIO – é a parte anterior do palco, que se projeta para fora da cortina, e deriva do Latim proscenium, de pro-, “à frente”, mais scaena.

PEÇA – do Francês antigo pièce, do Frâncico pettia, “medida, porção, parte”.

ATO – uma peça teatral pode ter vários atos, palavra que vem do Latim actus, “algo feito, parte de uma obra, impulso”, de agere, “levar a, guiar, colocar em movimento”.

PÚBLICO – sem ele não há teatro. Vem do Latim publicus, “relativo ao povo”, de populus, “povo”. Também adquiriu o significado de “aberto a toda a comunidade”, em oposição a “privado”.

FÃS – e sem estes não há ator que sobreviva. “Fã” é um encurtamento de “fanático”, que veio do Latim fanaticus, “louco, entusiasta, inspirado por algum deus”, originalmente “relativo a um templo”, fanum. Quem não atendia a certas exigências  religiosas estava “à frente” do templo, ou seja, fora dele: profanum, que originou nosso “profano”.

CAMAROTE – é um diminutivo de “câmara”, derivado do Latim camara, “quarto com teto recurvo”, do Grego kamara, idem, de uma base Indo-Europeia kam-,  “arco”.

CORO – do Latim chorus, “dança em círculo, grupo de pessoas que cantavam numa tragédia”, do Grego khoros, “grupo de dançarinos, dança, piso para dançar”, de uma fonte Indo-Europeia gher-, “rodear, enlaçar”.

A extensão de sentido de “dança” para “canto” se deu quando, em certos dramas, o coro passou a expressar verbalmente reflexões derivadas dos sentimentos morais e religiosos que faziam parte do enredo.

Resposta:

GRACIOSOS I

 

Muito bem, quem foi que colocou uma minhoca dentro da minha maçã, tachinhas na minha cadeira, um sapo seco em minha bolsa e pasta de dente na maçaneta da porta?

Sei que, modernamente, isso se chama “liberdade de expressão para os alunos” e que eu devo achar muito engraçado e mandar uma carta de parabéns aos pais de vocês pelas suas iniciativas, mas eu sou antiga, pré-histórica e acredito em coisa muito diferente.

Enquanto vocês desfazem tudo isso, vou contar a origem das palavras que representam isso que vocês acham engraçado até que os outros façam para vocês.

Para começar, engraçado vem de “graça”, que veio do Latim gratia, “mercê, favor, agradecimento, boa vontade, estima”. Nos idiomas ibéricos adquiriu, entre outros, o sentido de “cômico, jocoso”, que se manifesta em nossas palavras graciosinho, gracinha. Mas, por exemplo, em Inglês e Francês essa conotação não existe.

Já que citei, posso dizer que cômico vem do Grego komoidia, “espetáculo divertido, comédia”, de komodios, “cantor em festas”, de komos, “festa, farra”, mais oidos, “poeta, cantor”.  Quando vocês aprenderem a ler, talvez usem um pouco o seu tempo com comic books, que é como os americanos chamam as revistas em quadrinhos. Mesmo as que não têm histórias nada cômicas.

E… Sim, Valzinha? Uma de suas vizinhas sempre diz que vai ser cômico o dia em que ela pegar o marido olhando para a mulher do zelador do condomínio de novo?

Está bem, isso não é matéria de aula, aquiete-se um pouco e vamos continuar, agora contando a origem de jocoso.

Ela vem do Latim jocularis, “engraçado, cômico”, de jocus, “jogo, passatempo, esporte”.

Sim, Zorzinho, muito bem, jogar e jogo vêm daí. Ah, não, não queremos saber dos resultados dos jogos de futebol do último fim-de-semana, muito obrigada, isso você vai discutir com seus colegas depois, no recreio. Favor não começar com eles uma jogatina de figurinhas de jogador de futebol.

Antes que me esqueça, outro derivado de jocularis é chocarreiro, que significa “o que zomba, engraçado, debochado”.  Também de pouco uso, mas ainda viva.

Falar em jocoso me traz à mente umas palavras meio raras na atualidade.

Por exemplo, faceto. Nunca ouviram né? Pois ela deriva de facécia, do Latim facetia, “graça, brincadeira”.

Também penso em hilário, do Latim hilaris, “alegre, divertido”. Nas épocas antigas existiam as Hilaria, uma classe de feriados com regozijos e festas. Bem que vocês podiam dar uns dias desses para esta pobre profissional cansada e sofredora que nem a Tia Odete aqui, para eu poder descansar de suas gracinhas.

De preferência um ano ou dois, sem interrupção.

Outra classificação que se dá para quem faz palhaçada à custa dos outros é divertido. Esta vem Latim  divertere, “virar em diferentes direções”, de dis-, “para o lado”, mais vertere, “virar”.

A ideia é “voltar-se para um lado diferente das preocupações”. Usa-se também como termo militar, para designar uma ação feita para distrair o inimigo enquanto se prepara um ataque em outro ponto.

Não, Aninha, isso não implica em fazer um desfile de circo à frente das posições inimigas, para alegrá-las. Outra hora eu lhe explico. Daqui a uns 30 anos, quiçá.

Para se divertir à custa dos outros sem ter espírito de porco é necessário estar alegre, que vem do Latim alacer, “vivaz, contente”.  Desde já aviso que  palavra álacre, um sinônimo, está em uso em nosso idioma, embora bastante esquecida.

Muitas vezes se designa quem se dedica a isso como zombeteiro, que veio do Espanhol zumbar, de origem onomatopaica. Ou seja, quando se queria incomodar alguém se fazia uma vaia tipo abelha, bzzzz… Daí temos zombaria.

Não, Tiago, não é adequado borrifar um zombeteiro com spray contra insetos. Aliás, é proibido. O melhor é deixar o fulano em paz com seu zumbido e torcer para que ele vá incomodar os outros.

Um indivíduo que está zombando da gente pode ser chamado de galhofeiro também. Parece vir do Espanhol gallofa, que dizem ser o nome de restos de pão que eram dados aos peregrinos nos conventos da Galícia, quando eles estavam se dirigindo em romaria a Santiago de Compostela.

Se quiserem saber, de minha parte, acho que esta explicação está redondinha demais para ser verdade.

E podemos terminar esta aulinha com outra novidade, patusco, que parece vir do Italiano patullare, “levar a vida em divertimentos”, coisa que eu bem gostaria de fazer para esquecer onde foi que me meti.

Agora, vão fazer patuscadas em casa, que na próxima aula eu vou contar mais sobre esse tipo de pessoa.

Resposta:

Origem da palavra

Palavras: assassino , comédia

Qual é a origem das palavras comédia, amor e assassino. Obrigada!

Resposta:

1) Do Latim COMOEDIA, do Grego KOMOIDIA, “espetáculo divertido, comédia”, de KOMODIOS, “cantor em festas”, formado por KOMOS, “festa, desordem”, mais OIDIOS, “cantor, poeta”.

2) Veja nossa Lista de Palavras.

3) Via Francês e Italiano, do Árabe HASHISHIYYIN, “usuário de haxixe”, de HASHISH, “maconha em pó”,  literalmente “erva seca”.

Era o nome aplicado aos pariticipantes de uma seita ismaelita da qual se dizia que enviava matadores sob o efeito dessa droga.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!