Pergunta #1097

Teacher, ontem surgiu uma curiosidade de saber a origem de “crepúsculo”. Mas sabe por quê? Por li assim: “crepúsculo matutino”. Achava que este termo só era usado para definir o “pôr-do sol”. Lendo e aprendendo…
Outra dúvida: “nabacéia”… Por exemplo, “cidade nabacéia de Petra.
E outra: “genius loci”. Ah, outra! “parcos”, alías, parca é o que eu nunca vou ser em relação à admiração por sua pessoa. Hummm, empreguei certo o termo??? Bom, como disse, a intenção é que interessa!!!
O senhor é muito misericordioso. Ainda vou ser sua fiel discípula! Deu até boas vindas à Selminha…. Hummm, ela bem que merecia uns tapinhas, pois veio ao Brasil e nem “tchum” prá nós…. Ah.. Selminha, rsrsrsr. TÁ BOM, TÁ BOM, JÁ PERDOEI!!! MAS QUE PENA QUE NÃO PUDE ENCONTRÁ-LA. MAS RECEBEU MEU ABRAÇO, NÉ?
SAUDADE, VIU? E NÃO ESQUEÇA DO NOSSO PACTO!
Então, chega, né professor? Um abraço invertebrado!

Resposta:

Pattyconisa:

Sim, o crepúsculo existe ao nascer e ao pôr do sol; essa palavra vem do Latim CREPER, “escuro, vago, indefinido”, mais um sufixo diminutivo. Quer dizer mais ou menos “o escurinho”. Deve existir também o “crepúsculo dos cinemas”, onde vocês humanos fazem coisas que eu não entendo.

O correto mesmo é “nabatéia”, de NABATEA, parte da Arábia onde se situa Petra.

“Genius loci” literalmente é “o gênio do lugar”. Cada pessoa nascia com o seu GENIUS, pessoal e intransferível. Se não me engano, os lugares também tinham os seus.

“Parco” vem do Latim PARCUS, “econômico, avaro, pão-duro”, do verbo PARCERE, “poupar, guardar”. Gerou também “parcimônia”.
Se você empregou corretamente a palavra em sua frase – e acho que sim – ficarei ruborizado.

Eu achava que você já era minha fiel discípula. Quer dizer que você anda se dando às etimologias com outro profissional? Como as pessoas se entregam!
Cuidado; parafraseando hereticamente alguém que você conhece, “Eu sou um Etimologista ciumento”.
Você não pode dar abraços invertebrados. Eu sim, e é o que envio.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!