Palavra cavaquinho

INSTRUMENTOS DE CORDA

  

Desde muito cedo os seres humanos perceberam que uma corda esticada, quando puxada e solta, produzia um som. A partir daí começaram a fazer instrumentos que podiam conter diversas cordas, podendo ser elas pulsadas, tangidas com uma peça feita para isso, friccionadas por um arco ou mesmo marteladas.

Hoje vamos ver a origem dos nomes de alguns desses instrumentos.

 

VIOLA – designa um instrumento que lembra o violino, mas tem diferenças no formato e no número de cordas. Usa-se também familiarmente para se referir a um violão.

Seu nome vem do Espanhol vihuela, do antigo Provençal viol, o nome do instrumento, que veio provavelmente do Latim vitula, possivelmente relacionado ao verbo vitulari, “exultar, regozijar-se”. Talvez tenha relação com a deusa romana da alegria,  Vitula.

 

VIOLÃO – do Italiano violone, um aumentativo de viola.

 

VIOLINO – do Italiano violino, agora um diminutivo de viola.

 

VIOLONCELO – os italianos acrescentaram o sufixo diminutivo –cello a uma palavra que já era um aumentativo, violone, para nomear o instrumento que também é conhecido como cello.

 

GUITARRA – é um sinônimo de violão. Veio do Espanhol guitarra, do Árabe qitar, do Grego kithara, “cítara”, um instrumento de cordas, derivado do Persa sitar, literalmente “três cordas”, de si-, “três”, mais tar, “corda”.

Antes ainda de sitar temos duas palavras do Indo-Europeu que originaram guitarra: guit-, “canção”, mais tar-, “corda”.

Atualmente, quando se diz guitarra, entende-se que se está falando numa guitarra elétrica. Mas o nome original naturalmente se referia ao instrumento em sua versão acústica, que precede a eletricidade por muitos séculos.

 

ALAÚDE – este antigo instrumento de cordas apresentou um ressurgimento desde o começo do século XX. Atualmente ele é tocado, mas não se fabrica industrialmente, o que o torna muito caro. Seu nome vem do Espanhol laúd, do Provençal laut, do Árabe al ud, literalmente “o tronco, a madeira”.

 

CONTRABAIXO, BAIXO – a segunda forma é uma redução da primeira, para quem tem preguiça de falar.

Vem do Latim bassus, “curto, baixo, atarracado”, referindo-se à sua capacidade de emitir sons graves (baixos) e ao seu aspecto volumoso.

 

BANJO – aparentemente este nome teve influência de duas origens. Uma seria o Inglês bandore, do Espanhol banduria, o nome de um instrumento de corda semelhante ao alaúde, do Grego pandoura, instrumento de três cordas. E a outra seria o Quimbundo  mbanza, que designa um instrumento mais próximo ao banjo propriamente dito.

 

BANDOLIM – do Italiano mandolino, diminutivo de mandola ou mandora, que também veio do pandoura que citamos logo acima.

 

CAVAQUINHO – de cavaco, “lasca de madeira”, pelas suas pequenas dimensões.

 

UKULELE – este instrumento característico da música havaiana foi transformado lá a partir do cavaquinho, levado por imigrantes portugueses. Há alguma controvérsia, mas parece que essa palavra quer dizer “pulga saltitante”. E teria sido escolhida devido aos movimentos rápidos feitos durante a execução da música.

Segundo outros, ele viria do apelido de um oficial inglês muito vivaz que estava a serviço do rei Kalakaua na época (ao redor dos anos 1880). Este rei foi um patrono das artes e responsável pela difusão da música com este instrumento.

 

BERIMBAU – seu nome se originou do Quimbundo mbirimbau.

 

LIRA – deriva do Grego lyra, de origem desconhecida.

 

HARPA – essa palavra vem do Germânico harpon, o nome dado ao instrumento de muitas cordas.

 

CRAVO – do Francês clavier, “o que leva as chaves”, do Latim clavis, “tecla, chave”, já que é um instrumento com teclado.

 

PIANO – vem do Italiano pianoforte, encurtamento de gravicembalo/clavicembalo col piano e forte, “cravo com (intensidade) suave e forte”, nome dado em torno de 1710 pelo inventor B. Cristofori, a partir da alteração que os martelos com feltro trouxeram ao som  metálico do cravo.

O piano responde com precisão à intensidade exercida sobre a tecla, permitindo assim extrair notas suaves ou de maior ressonância.

Resposta:

tatu

Olá, meus caros amigos!

Por aqui é costume vermos peruanos tocando CHARANGO nos coletivos. A primeira vez que ouvi fiquei extasiada. Pensa no malabarismo que eles fazem para tocar em pé e ainda por cima com um instrumento de sopro pendurado no pescoço?

Além desta estranha palavra tatuana, gostaria de saber sobre estas também:

CAVAQUINHO, CAVALETE (instrumento de tortura) e CAXIAS.

Resposta:

1) Do Espanhol CHARANGO, que se teria formado por onomatopeia.

2) De cavaco, “pedaço ou lasca de madeira”, provavelmente pelo seu tamanho reduzido.

3) De cavalo, por ter 4 patas. Eu sei, podiam ter chamado também de elefante ou de lontra, e daí?

4) No sentido de “profissional extremamente dedicado e exigente”, vem do Duque de Caxias, que parece que era assim.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!