Palavra ducha

Higiene

Arturzinho, que porquice! Você está coberto de areia! Mas o Robertinho ali não fica atrás. E quem foi que encheu de barro os óculos do Zorzinho? Assim ele não pode escrever.

Mariazinha, Sidneizinho, Joana Beatriz, Lúcia, todos sujos com apenas meia hora no pátio. É inacreditável a afinidade que as crianças têm com a sujeira de todos os tipos. Inclusive a da cabeça, viu, Joãozinho?

Só quem não se sujou hoje foi o Soneca, bendito seja, porque está dormindo desde que entrou na sala, e a Maria Tereza, que é bem-comportada e não faz bagunça.

Oh, Higéia, dai-me ajuda! Como? Não, não é uma professora nova, não. Ela era uma filha de Asclépio, o deus grego da Medicina, e era considerada a personificação da boa saúde. Do nome dela derivou a palavra higiene, pois os antigos já percebiam que a limpeza corporal tem muito a ver com a saúde em geral.

Já que falamos nela, vamos ver umas palavrinhas associadas com o assunto, enquanto eu tento tirar o pior do cascão de vocês, para evitar que os pais nos processem.

Credo, Lúcia, você vai gastar litros de shampoo para tirar esse chiclete do cabelo. Sabia que essa palavra, pelas nossas regras, se escreve xampu? Fica esquisito porque os frascos nas prateleiras são sempre escritos na forma inglesa, para dar mais charme.

Foram os ingleses, durante o seu domínio na Índia, que trouxeram essa palavra. Em Hindi, ela é champo, imperativo de champna, “apertar, amassar, massagear”, que é a forma de se usar esse sabão líquido.

Não, Joãozinho, você não vai champna nenhuma das meninas, não senhor! Sente-se ali e fique quieto.

Vou passar apenas uma toalhinha molhada no seu rosto cheio de sorvete derretido, Artur. Depois um bom sabonete resolve tudo.

O nome deste produto veio de um diminutivo francês de sabão. E este veio do Latim sapo, “sabão”, que veio de uma palavra germânica saipo-, “material para lavar ou tingir o cabelo”. Daí veio o Inglês soap, que não tem nada que ver com sopa, Robertinho. Hã? Não, meu filho, a expressão soap opera que você viu num filme não era sobre uma ópera cantada por sabonetes. Esse é o nome que os americanos dão às novelas de TV porque elas costumavam ser patrocinadas por fabricantes de sabonetes, nos seus primórdios.

Como é, Lúcia? Você não está escutando direito? Deixe-me olhar… Quem foi que enfiou migalhas de pão nos ouvidos desta pobre inocente? Depois tentaremos descobrir o criminoso. Agora vamos dar trabalho ao cotonete. Saibam que cotonete não é um nome, é a marca de um produto e que vem do Inglês cotton, “algodão”, que vem do Árabe qutn, talvez de origem egípcia. Deram esse nome porque as pontas são de algodão e é um objeto pequeno, daí a terminação ette, um diminutivo vindo do Francês.

Pronto. Puxa, saiu quase meio pão de bauru daí. Não, não conte para os seus pais, deixa pra lá.

Como é, Patty? Guaraná no seu cabelo? Quem foi que fez isso? Ah, você mesma. Mas, meu bem, não creio que isso ajude a deixar loiros os cabelos. Hum, foi o Robertinho que lhe ensinou, é? Depois falaremos, meu rapazinho.

Bem, Patty, depois do banho você deve escovar bem esse cabelo, que é muito bonito sem guaraná, e aproveite para recordar então que escova vem do Latim scopa, “vassoura”, inicialmente “arbusto”.

Se um dia você for a um país de língua espanhola, nunca diga que vai “escovar os dentes”. Eles usam a palavra escoba apenas para “vassoura”. Eu já fiz essa bobagem e eles se mataram de rir, imaginando-me com uma vassoura enfiada na boca. “Escova de dentes” lá se diz cepillo.

E que tanto você faz caretas, Sidneizinho? Ah, convenceram-no a comer um sanduíche que estava recheado com areia… Você vai ter que usar muito dentifrício hoje. Quando estiver usando, lembre-se de que essa palavra vem do Latim dens, “dente”, mais fricare, “esfregar”, já que é uma pasta para fazer exatamente isso.

Joãozinho, quieto!

Depois do banho todos vão passar com capricho um pente nos cabelos, palavra essa que vem do Latim pecten, “pente” mesmo.

Ah, e não se esqueçam de se secar muito bem com a toalha. Esta vem do Francês toaille, que vem do Latim tela, “tecido, pano”. Daí derivou toilette, no início “pequena toalha, toalha de mesa” e depois “arrumação, higiene corporal”.

Não, Joãozinho, você ainda não precisa fazer a barba. Se você já assim agora, imaginem como não vai ser quando os seus hormônios estiverem todos em dia. Não quero nem pensar. Mas, quando for a hora, você vai usar um barbeador, cujo nome evidentemente vem do Latim barba.

As meninas daqui, quando forem maiorzinhas, vão fazer sua maquilagem. Essa palavrinha vem do Francês maquiller, “trabalhar, pintar o rosto para uma apresentação teatral”, do Holandês maken, “fazer”, da mesma origem do Inglês to make, “fazer”.

Enfim, todos estão necessitados de uma boa ducha, palavra que vem do Francês douche, que veio do Italiano doccia, “cano, conduto de água”, que veio do Latim ducea, do verbo ducere, “guiar, conduzir”. Assim, ducha e duque têm a mesma origem, pois duque é um título de nobreza que vem justamente do verbo “guiar′ em Latim.

Muito bem, crianças pouco limpas. Vão para casa agora, façam uma higiene bem caprichada e amanhã vamos aprender mais Etimologia!

Resposta:

Educando

Muito bem, criançada. Se vocês não pararem quietos, não vou poder educar vocês, como os papais e mamães me pediram. Como assim, o que é educar? Não podem saber mesmo, pois parece que vocês nunca foram expostos a tal coisa.

Então vamos fazer uma rodinha que a tia Odete vai falar sobre o assunto.

Educare, em Latim, queria dizer “educar, instruir” e também “criar”. Essa palavra era composta por ex, “fora”, e ducere, “guiar, conduzir, liderar”. Parece que eles tinham a idéia de que introduzir alguém ao mundo através da instrução era como “levar uma pessoa para fora” de si mesma, mostrar o que mais existe além dela.

Já que falei em introduzir, esta palavra se formou do prefixo intro- com o verbo ducere. Ou seja, “guiar para dentro”. No início, tinha o sentido de “gerar, usar pela primeira vez”. Só mais tarde é que também assumiu o sentido de “tornar conhecido para outrem”. Por exemplo, a Tia Odete aqui está introduzindo vocês à Etimologia, matéria sem a qual a vida perde muito a graça.

O verbo ducere é ligado à palavra dux, “chefe, líder”. Nas legiões romanas já havia duques, que eram chefes militares com cargos bem distintos dos duques que surgiriam no futuro, como grau de nobreza dos mais altos. Muito mais tarde, no século 20, surgiria um chefe em Roma que se intitulava Duce, e que teve um fim nada agradável.

Mas este dux gerou uma grande quantidade de derivados em muitos idiomas.

Vejam, por exemplo, produzir. Vem de pro-, “à frente”, e ducere. Ou seja, “guiar para a frente”. Um país ou pessoa que produz segue adiante, parece ser o que a metáfora quer dizer.

Também me ocorre a palavra ducto, de ductus, “cano ou caminho para passagem de líquidos, gás, etc.”. Esse equipamento “leva, guia” material de um lugar para outro. Os romanos faziam aquedutos para aportar água às suas cidades.

Falando nisso, a ducha que a gente gosta de tomar quando chega em casa também vem de ducto, através do Italiano docciare, que veio do Latim ductiare.

Nossas cidades têm viadutos, estruturas que conduzem – levam, guiam – ruas para desafogar o trânsito. Existem gasodutos, equipamentos para levar gás a partir do seu local de produção…

Sidneizinho, que é isso? Ora, vou-lhe dar, mostrar o seu ducto para a Helozinha, coitadinha, tão bem comportada que ela é! Levante essas calças e fique ali naquele canto, já!

É uma barbaridade, a gente se esforçar tanto para ver acontecer isso. Menino mau!

Em todo o caso, vamos seguir. Quando desta desagradável interrupção, eu estava por dizer que a palavra adutora também é parente dessas. Vem de ad-, prefixo que indica “junto” e ducere: “a que traz para junto”. Um cano adutor de água de uma casa, por exemplo, é um cano que traz a água para dentro.

Em Anatomia há vários músculos adutores, ou seja, que trazem um segmento do corpo para junto da linha média. Existem também os abdutores, de ab-, “para fora”: músculos que produzem o movimento oposto, afastando esses segmentos.

Eu gostaria de induzir vocês a serem educados e estudiosos, mas está difícil. Especialmente hoje, desde que o nosso jovem fauno, que está muito risonho ali, agitou o grupo.

Induzir vem de in-, “dentro, para dentro” mais ducere. Quer dizer “levar alguém para dentro”, ou seja, “convencer, persuadir”. Também pode significar “gerar, produzir”, como “induzir uma carga elétrica”.

Não, Robertinho, deduzir não tem nada a ver com dedo. Tem a ver com o que estamos falando mesmo: é formado por de-, “para fora, afastar” e ducere. Significa “descobrir a partir de princípios gerais”. É como se a gente pegasse informações básicas e se afastasse delas em direção a uma realidade concreta. Por exemplo, eu deduzo que este Sidney, no futuro, será um sujeito muito incômodo para as moças. E que você, meu rapaz, embora bonzinho e esforçado, não será um grande etimologista.

Hein? O que é que dux tem a ver com duck, o “pato”, que vocês conhecem dos desenhos animados? Nada, na verdade. Esta palavra vem do verbo inglês arcaico ducan, que deu o verbo atual to duck, “abaixar-se”, pois é isso que os patinhos parecem fazer no laguinho quando se inclinam para pegar a sua comidinha.

Também vem daí a palavra reduzir, de re-, “para trás, outra vez” e ducere. Em Latim, reducere tinha um sentido diferente: “trazer de volta, restaurar” e também “retirar”. Mas o sentido acabou virando “trazer de volta à ordem”, “sujeitar” e finalmente “diminuir”.

Falando em reduzir, temos uma palavrinha muito parecida com significado bem diferente, que é seduzir. Esta vem de se-, prefixo que denota “afastamento” e ducere. Tem o sentido de “afastar alguém dos seus votos, da sua lealdade”.

Nada disso, Sidneizinho! Isso que você fez não é sedutor! É grossura mesmo. Nenhuma moça decente gosta disso.

Agora chega de aprender. Vão para casa, mas o Sidneizinho e eu vamos ter uma conversa com a Direção.

Resposta:

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!