Palavra gargueira

ARMADURA

Eu tinha andado lendo uns livros sobre a Idade Média que meu avô me tinha emprestado e fui visitá-lo para tirar umas dúvidas. E também para desfrutar da agradável companhia dele, que por sua vez gostava de me ver.

– Vô, ontem embatuquei lendo um dos seus livros, quando o cavaleiro se aprontou para enfrentar o inimigo e colocou a lança em riste. O que é isso, o bagageiro do cavalo?

O velho riu:

– Não. Os cavalos não tinham bagageiro. Aliás, nem caixa de mudança ou guidom, seu citadino.

Fiz meu melhor ar atoleimado:

– Aah…

Riste era uma peça que se situava à direita da couraça que defendia o tórax do cavaleiro, uma projeção fixa no metal. Servia para apoiar o cabo da lança quando ele
investia. Vem do Catalão rest, provavelmente ligado ao Francês rester, “descansar, repousar, apoiar”.

Outras partes da armadura eram o peitoral, que servia para…

– … para proteger o peito do herói!  –  disse eu, triunfante.

– Impressionante como você está sabido, meu neto! Não esperava tanto de você  –  disse ele.

Agora, se você já terminou de se meter a engraçadinho, vou lhe contar que essa palavra vem do Latim pectus, “peito”.

– Mas isso não se chama couraça também?

– Sim, este nome é dado à parte da armadura que protege  o tórax. Veio do Latim coriacea vestis, de corium, “couro”, mais vestis, “roupa, veste”. Isso porque inicialmente era feita de couro.

– Eu tenho uma jaqueta de couro, mas acho que ela não seria grande coisa para me defender de uma espada!

– Santa Paciência, é hoje que eu vou infartar. Saiba, meu ignorante neto, que essas peças eram feitas com couro cozido e prensado, o que resultava num material de excelente resistência.

– Ah. E a armadura propriamente dita, vem de onde?

– Do Latim armatura, “armadura” mesmo, de arma, “armas, material bélico em geral”.

– Outro dia eu vi na TV um tanque passando e o texto em Inglês falava em “armored
car”
. Isso não quer dizer “carro com armas”?

– Não, quer dizer “blindado”. Esse armored se refere a placas de defesa, não a armas.

O que me lembra de uma palavra que certamente você não conhece: gargueira.

– Isso é algum remédio para gargarejar depois da batalha?

– Até é; era uma peça que garantia que o soldado ainda teria uma garganta nessa ocasião. Tratava-se de uma peça usada na frente do pescoço para defendê-lo. Vem do Latim gula, “garganta”, derivado de um som imitativo de ruídos feitos sem o uso
das cordas vocais, garg. E você está certo em associar a peça da armadura a gargarejo, pois elas têm a mesma origem.

Esta peça ainda tem uso simbólico em alguns uniformes de gala hoje em dia, como no Exército inglês.

Perto dela, logo acima, ficava o elmo, a proteção para a cabeça inteira, que deriva do Frâncico helm, “elmo, capacete”, do Germânico helmaz.

Falando no capacete, temos que sua origem é discutida. O que parece se aproximar mais da verdade é que venha do Espanhol capacete, “peça de proteção para a cabeça”, do Latim capaceum, derivada de capere, “conter”.

Na Idade Média, houve uma moda de se colocar sobre o capacete figuras as mais estranhas, feitas em couro ou algum outro material. Eram monstros heráldicos, animais, plantas, qualquer coisa servia para aumentar a estatura do cavaleiro e assustar o inimigo. Claro que este também fazia de tudo para assustar, de modo que ficavam elas por elas.

De qualquer modo, eles usavam um tecido protegendo o capacete contra a poeira e a ferrugem. Ele começou a ser feito nas cores principais do escudo do portador. Chamavam-se lambrequins, do Holandês lamperkin, de lamper, “tecido fino”.

Eles fazem parte importante de um escudo de armas quando se estuda Heráldica.

– E o escudo, Vô?

– Vem do Latim scutum, “escudo alongado”. Pensei agora no guante, uma espécie de luva em metal, do Frâncico want-, “punho”.

Note como os germânicos e os francos, que eram um povo germânico, originaram palavras relacionadas a atividades bélicas. Parece que eles gostavam de uma boa confusão.

Eles protegiam as pernas com uma peça chamada greva, que parece vir do Francês grève mas cuja origem se desconhece.

E para as coxas eles faziam defesas chamadas coxotes, do Latim coxa, “coxa”, mas que inicialmente se usou para designar “osso do quadril”.

Pois essa parte da armadura se chamava quijote em Espanhol, há alguns séculos. Foi esse o nome que um cavaleiro senil chamado Alonso Quijano, que vivia num lugar chamado La Mancha, escolheu para si quando resolveu sair mundo afora vingando injustiças e libertando donzelas indefesas.

– Verdade, Vô?

– Quando você ler “Dom Quixote” vai saber. Até lá, continue interessado.

 

Resposta:

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!