Palavra mar

MAR

 

Os seres vivos tiveram seu início no mar. Ele ainda faz as delícias das pessoas que o visitam, enchendo-as de areia, fazendo-as ouvir o som furioso dos altofalantes da orla, mostrando os hábitos do pessoal da farofa, etc.
Muitas palavras se relacionam a ele, como:

MAR  –  do Latim mare, “mar”, do Indo-Europeu mari-, “massa de água, mar, lago”.

 

MAREADO  –  é o sujeito que se sente tonto, nauseado. Deriva de mar, fazendo lembrar que muitas pessoas sofrem de uma alteração dos órgãos sensores do equilíbrio quando são muito sacudidas, tal como acontece quando estão num navio em mar agitado.

 

NAUSEADO –  de náusea, que veio do Latim nausea, do Grego nausia, de naos, “barco, navio”. Tem a mesma explicação que a anterior.

NÁUTICA  –  de naos; designa a arte de conduzir uma embarcação de um ponto a outro. Originou a palavra nauta, “marinheiro”. Ela agora é muito usada como parte de internauta, “o que navega na Internet”.

 

NAVEGAÇÃO  –   do Latim navigatio, “navegação”, de navis, “nau, navio, embarcação”. É o mesmo que a anterior.

Outra derivada é a palavra naval, “relativo a navios”.

 

MARINHA  –  do Latim marinus, “relativo ao mar”. Tanto pode designar a instituição que compreende o conjunto de navios de uma nação quanto um local de atracação de barcos. Evidentemente, marinheiro é aquele que faz parte da citada instituição.

Também se usa para nomear um quadro que mostra cenas de paisagens à beira-mar.

 

MARINE  –  não faz parte de nosso idioma, mas como muitas vezes surge confusão na tradução de filmes, vamos explicar que essa palavra inglesa designa os soldados, ou fuzileiros navais, que originalmente eram transportados por navios para lutar em outros países.

Por vezes ela é confundida com mariner, a palavra inglesa que designa “marinheiro” e que teve o seu lugar ocupado em grande parte por sailor.

 

MARÉ  –  também vem de mare; designa o movimento de subida e descida das águas marinhas por influxo da gravidade.

 

OCEANO – do Latim oceanus, do Grego okeanos, o nome de um grande
rio que contornaria todas as terras na Geografia grega dos tempos clássicos.
Ele é apenas uma convenção para facilitar a orientação humana.

 

CIRCUM-NAVEGAR –  ou seja, “dar a volta navegando”. Vem do Latim circum, “ao redor”, mais navigari.

 

VELEJAR  –  deslocar-se por meio de velas, do Latim vela, “véu, tecido, vela”.

 

PILOTAR  –   do Grego medieval pedotes, “timoneiro”, de pedon, “remo usado como leme”, de pous, “pé”.

 

REMAR  –  do Latim remus, “remo”.

 

NADAR  –  se tudo o que foi descrito acima não funcionou, resta fazer isto, que vem do Latim natare, “nadar”.

 

Resposta:

Rios

Fui visitar meus avós paternos e encontrei o velho no pátio florido, regando as numerosas flores que a Vó tinha plantado cuidadosamente por tudo. Ernesto, o enorme gato cinzento, estava por perto ajudando e veio correndo me cumprimentar e se esfregar em mim.

Como sempre, meu avô estava rosnando por ter que cuidar do que os outros plantavam, mas eu sabia que ele apenas se achava obrigado a resmungar para manter sua fama de assustador.

– Falando em molhar, Vô, no outro dia eu andava querendo saber a origem da palavra rio. Será que, por um acaso, o senhor sabe? – eu disse, com meu ar mais inocente.

Ele respondeu, com uma brandura francamente ameaçadora:

– Por puro acaso, sei, meu caro e pouco confiante neto, por puro acaso. Ela vem do Latim rivus, “curso dágua, riacho, arroio”.

Daí veio a palavra rival.

– E o que é que tem que ver?

– Tem que, na Roma antiga, os cursos d’água eram canalizados e divididos entre vizinhos agricultores, podendo ser fechados ou abertos para irrigar as plantações. Isso naturalmente deu ocasião a que uns tentassem prejudicar os outros para aproveitar melhor a água em benefício próprio. Como resultado, não era raro se formarem verdadeiras inimizades, rivalidades.

– E as agüinhas menores, como arroio, córrego, riacho?

– O primeiro talvez venha do Latim arrugium, “galeria de mina”. O segundo também é relacionado à mineração, é do Latim corrugus, “vala com água para lavar metais”.

E riacho tá na cara que vem de rivus, tal como rio.

– Hum… e o mar, para onde os rios correm?

Essa palavra nos veio do Latim mare, “mar” mesmo. E oceano é do Latim oceanus, do Grego okeanos, o nome do rio que se julgava cercar toda a terra nas épocas em que esta era plana. Ele foi personalizado no deus de mesmo nome, filho do Céu e da Terra.

Só mais tarde é que este nome foi aplicado às grandes massas hídricas que envolvem o planeta.

– E essa história de rios serem influentes uns dos outros?

Ele riu:

– Ainda vou descobrir se você é muito engraçado ou um vasto ignorante. Você quer dizer afluentes.

O primeiro vem do Latim affluens, “o que corre para”, de ad-, “a”, mais fluere, “fluir, correr, deslizar”. Logo, é um rio que se junta a outro, que se soma a ele. Pode ser chamado também de tributário, “algo ou alguém que paga tributo”, como se ele estivesse doando todos os seus bens à Receita Federal.

– E a praia, Vô?

– Essa vem do Latim da Idade Média plagia, que derivou do Latim clássico plaga, “terra, extensão de espaço plano, terreno”.

– E a água onde a gente entra?

– Veio do Latim aqua. Não mudou quase nada nestes milhares de anos. E agora pare de matraquear e vá brincar com o gato que o está esperando para isso. Já estou com boca seca de tanto responder.

Resposta:

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!