Palavra engrenagem

BICICLETA

 

Cheguei muito orgulhoso, empurrando minha primeira bicicleta, no gabinete do meu avô, que ficava no fundo do seu pátio. Ele saiu à porta para me receber.

– Olha só, Vô! Esta é a minha bicicleta!

– Ora, parabéns, menino! É muito bonita.

– Já que o senhor gostou dela, pode me dizer algumas coisas sobre as partes dela?

– Você vai longe com esse desejo de aprender, meu neto. E, como eu gosto de ensinar, formamos uma bela dupla. Vamos ver então: a própria palavra bicicleta veio do Latim bis, “dois, duas vezes”, mais o Grego kyklos, “redondo”. Isso porque tem duas rodas, já reparou?

– Então o triciclo que o senhor me deu quando eu tinha dois anos se chama assim porque tem três rodas?

– Exatamente. E roda vem do Latim rota, o nome do objeto.

– Esta tem um monte de varetas de metal, como é mesmo o nome delas?

Raios. Veio do Latim radius, “vareta de roda, bastão, raio de luz”.

– Tem algo a ver com os raios-X?

– Sim. Estes receberam o nome porque, ao serem descobertos, sabia-se que se tratava de uma forma de emissão de radiação, como os raios do sol. Mas, como eram ainda algo misterioso, ganharam o “X” como símbolo de uma incógnita.

Veja que ao redor da roda há os pneus, palavra que vem a ser um encurtamento do Francês pneumatique, “pneumático”, ou seja, “cheio de ar”. Deriva do Grego pneuma, “ar, vento, sopro”.

E preste atenção nestes apoios onde você coloca os pés para impulsionar essa geringonça: são os pedais, do Latim pes, “pé”.

– Então onde eu ponho as mãos para guiar esta belezinha se chama manual?

– Quase. O nome é manúbrio, e vem do Latim manus, mão. Aliás, falando em mãos e pés, desde já vou avisando que você precisa andar equipado para evitar acidentes.

Tem que usar capacete, que nos veio do Espanhol capacete, “peça de proteção para a cabeça”, do Latim capaceum, derivada de capere, “conter”.

E também cotoveleira, do Latim cubitus, “cotovelo”. Para não falarmos da joelheira, do Latim genu, “joelho”.

– Chii, vou ter que dizer isso para meus pais…

– Não lhes diga, eu e sua avó vamos lhe dar logo de presente esse material.

– Muito obrigado, Vô! –  e aproveitei para abraçá-lo.

– Não agradeça, é só porque eu não quero ter que cuidar de um neto com fraturas. Mas, voltando à etimologia da bicicleta, ocorre-me contar que o selim, onde a pessoa senta, vem de sela, do Latim sella, de sedes, “assento, lugar para sentar”.

E, para evitar bater contra alguma coisa, existem o freios, do Latim frenum, o nome da peça bucal que se usa nos cavalos para controlar sua direção e velocidade. Mantenha-os sempre em bom estado.

– Não vou esquecer.

– E não se esqueça de olhar sempre aqui, no espelho. Esta vem do Latim speculum, “espelho”, de specere, “olhar”. Olhar para trás é outra forma de evitar acidentes.

Há outro equipamento que é indispensável para andar à noite: são estas coisinhas coloridas aqui, os catadióptricos.

– Hã?

– Sim, eu sei que é muito complicado para uma cabecinha oca que nem a sua, mas essa palavra vem do Grego kata–, aqui querendo dizer “de volta”, mais dioptra, “instrumento óptico” em Latim. São os populares olhos-de-gato. Ou, para simplificar, refletores. E esta palavra, por sua vez, vem do Latim re-, “outra vez, novamente”, mais flexus, “dobrado, fletido”, do verbo flectere, “dobrar”.

Se alguém vai andar à noite de bicicleta, que seja em local sem maiores perigos. Nesse caso, é bom instalar também um farol, cujo nome vem da ilha de Pharos, em Alexandria, Egito.

Esse farol terá uma lâmpada, que vem do Grego lampein, “brilhar”.

– E esta parte da armação aqui, feita de tubos?

– Esse é o quadro, do Latim quadrum, “o que tem quatro lados”, de quattuor, “quatro”.

– Ué, mas este é triangular e não tem pintura dentro!

– Certo. Mas alguém achou que havia similaridades e escolheu esse nome, que acabou pegando. No duro, parece-me que chamar de “moldura” seria mais adequado.

– E estas rodas dentadas aqui junto ao pedal?

– São as engrenagens; esta vem do Francês engrener, “encaixar rodas dentadas”, também “colocar grãos para serem moídos”, do Latim granum, “grão’. Veja você as voltas que uma palavra dá em suas alterações ao longo do tempo.

E note que, encaixando nas engrenagens, está a correia, do Latim corrigia, “tira de couro, açoite”.

Mas bem, antes que eu me canse de falar muito e queira lhe aplicar uma correia, vamos sair para comprar aqueles seus equipamentos. Deixe a sua bicicleta aqui, que doravante você só subirá com eles postos.

– Vô… obrigado de novo!

 

Resposta:

RELÓGIO

 

 

Ué, que aglomeração é esta em torno da Valzinha hoje? Hum, estão apreciando o moderno relógio que algum parente sem noção lhe deu. É desses enormes, do tamanho de uma laranja-de-umbigo, cheio de brilharecos, rufos e rebusques.

Sabe olhar as horas, Valzinha? Não, né? Eu já imaginava.

Então, para acalmar as crianças, tentar diminuir essa cara de superioridade da dona do objeto e as expressões de inveja do resto, vou contar alguma coisa sobre a etimologia dele e correlatas.

Relógio vem do Latim horologium, do Grego horologion, “quadrante solar para marcar o tempo”, de hora, “estação, qualquer divisão de tempo, momento, hora”. Faço notar que, como em épocas antigas o tempo não era marcado com precisão, a palavra hora podia ser usada com tanta amplitude.

Pois não, Zorzinho? Ah, sim, “quadrante solar” se refere àqueles marcadores de tempo que se valiam da sombra do sol para marcar a passagem do tempo. Sei, quando o tempo estava nublado ninguém sabia as horas, mas também ninguém tinha tanta necessidade da hora certa como agora.

Esta parte onde aparecem os números do relógio da coleguinha de vocês se chama mostrador. Isso vem de mostrar, do verbo monstrare, que significava “indicar, apontar, denunciar, aconselhar”, um derivado de monere, “avisar”.

Sim, Patty, nossa palavra monstro vem daí. Pare de arregalar os olhos.

Girando aqui sobre o mostrador, vocês veem os ponteiros. Esse nomezinho, como qualquer um pode imaginar, vem de apontar, que vem de ponta, do Latim punctus, “ponto, picada”, particípio passado de pungere, “fincar, espetar, picar”.

Nãão, crianças, elas não espetam ninguém, estão contidas pelo vidro do relógio. Palavra que, aliás, vem do Latim vitrum, “vidro”, originalmente o nome de uma erva da família da mostarda, de cujas folhas se extraía um pigmento azul.

Calma, Lary, já explico o que tem uma coisa a ver com a outra: é que os vidros, nessa época de Roma, continham impurezas que os deixavam da cor azul. Os vidros transparentes custaram um pouco a surgir.

Agora os relógios em sua maioria são digitais, isto é, mostram o tempo em algarismos. Mas quando a Tia Odete era menos experiente, eles eram todos mecânicos, com ponteiros que giravam. Isso quer dizer que eles contavam o tempo através do movimento de engrenagens, com rodas dentadas e tudo.

Já vou contar: engrenagem vem do Francês engrener, “encaixar rodas dentadas”, também “colocar grãos para serem moídos”, do Latim granum, “grão’.  Sim, antigamente a farinha não saía do supermercado, o trigo era levado ao moinho e devolvido em forma de pó.

Fale, Caio. A diferença entre digital e analógico? Menino esperto, esse. É a seguinte: a primeira vem do Latim digitus, “dedo”, e está em uso na área de computação desde poucos anos antes de 1945. Isso porque ela se expressa em algarismos e a contagem sempre teve uma relação básica com os dedos.

E a outra vem do Latim analogia, do Grego analogia, “proporção”, de ana-, “de acordo com”,  mais logos, “palavra, tratado, estudo”. Num relógio, indica que as horas são mostradas por comparação com um círculo e não através de dígitos ou algarismos.

O mecanismo todo fica contido no que se chama caixa, que veio do Italiano cassa, do Latim capsa, que era o nome dado às caixas cilíndricas onde os cidadãos de Roma guardavam os seus livros. E capsa vem do verbo capere, em sua acepção de “conter”.

Em Roma existia o capsarium, que era o escravo que levava o saco de livros e documentos do seu patrão. Gente folgada, aquela.

Vocês provavelmente não ouviram falar em complicações de um relógio. Eles muitas vezes apresentam ponteirinhos extras que indicam a fase da lua, o mês, o ano, cronômetros, signos do zodíaco, alarme e mais uma porção de coisas estranhas que só um colecionador sabe apreciar. O campeão deles atualmente apresenta 57 complicações. O que o segue tem apenas 33, uma mixaria…

Sei, pessoal, ele deve ser bem caro. Ainda mais que só existe um no mundo, desenvolvido especialmente ao longo de dez anos para um milionário desconhecido.

Bem que ele podia se compadecer de certa professora sofredora daqui do fim do mundo e me repassar uns relógios que ele não queira mais.

Bem, voltando às nossas palavrinhas, lembrei-me da origem de pulseira, que é onde os relógios ficam presos. Naturalmente ela vem de pulso, que deriva do Latim pulsus, “batida, abalo, sacudida”. Isso porque a região do antebraço logo acima da mão é um local adequado para se sentir o pulso, as batidas do coração.

Certos tipos de relógio, no entanto, não eram usados no pulso. Eram os de bolso, atados por uma corrente a uma peça de roupa para não serem perdidos ou furtados muito facilmente. Esta deriva do Latim currere, “correr”, pois um conjunto de elos tende a deslizar, a correr, quando tracionado.

Este tipo em geral possuía uma tampa protegendo o vidro, palavrinha que veio do Gótico tappa, “batoque, tampa usada em barris”.

Como, Ledinha? Se existem relógios de pêndulo para usar no pulso? Está aí uma coisa que eu queria ver, já que a existência de um pêndulo implica numa estrutura estática e muito grande para ser usada sobre o corpo.

Mas fique com o conhecimento de que pêndulo vem do Latim pendulum, “o que está pendurado”, de pendere, “pendurar”.

E agora todos podem sair para voltar para casa. Favor não estragarem o reloginho da Valzinha nem pedirem relógios cheios de complicações para os seus pais.

Resposta:

Material Automotivo 1

Os veículos automotores são formados por um enorme número de peças, algumas com nomes que nos parecem muito esquisitos. Vamos hoje descobrir algumas de suas origens.

RODA – vem do Latim rota, “roda” mesmo. Liga-se à palavra rotundus, “redondo”. Atenção: essa palavra rota nada tem a ver com a “rota” que a roda do carro percorre; esta vem do Latim rupta, “rompida”, da expressão via rupta , “caminho aberto, rompido à força”.

EIXO – onde há uma roda girando, tem que haver um eixo. Esta palavra deriva do Latim axis, “eixo”, que em Indo-Europeu se dizia aks-.

Em 1936 se constituiu o Eixo, aliança político-militar entre Alemanha e Itália, depois incluindo o Japão, mas isso é outro assunto.

A segunda vértebra cervical é chamada de axis, porque ela apresenta uma protrusão vertical que nos permite girar a cabeça de um lado para outro, para fazer que “não” com ela.

PNEU – encurtamento do Francês pneumatique, “pneumático”, ou seja, “cheio de ar”. Deriva do Grego pneuma, “ar, vento, sopro”.

Sim, pneumonia, “doença pulmonar infecciosa” é parente; a palavra grega foi usada para diversos nomes cultos relacionados com o pulmão.

CALOTA – enquanto os ladrõezinhos não a levarem, geralmente as rodas apresentam uma calota. Ela vem do Francês callotte, “solidéu, gorrinho redondo usado colado à cabeça”, do Provincial calota.

MOTOR – sem ele nem adianta existir o veículo… Deriva do Latim motor, “aquele que desloca, que move” do verbo movere, “deslocar, trocar de lugar”.

Sim, movimento vem daí. Bem como movediço e móvel.

VIRABREQUIM – eta nome mais estranho. Ele veio do Francês vilebréquin, “conjunto de articulações para transformar um movimento retilíneo em rotativo”, em uso desde o século XVII, do Holandês wimmelkijn, idem.

CARBURADOR – vem do Inglês carburet, “material composto por carbono e outra substância”. A parte de motor a explosão onde se mistura a gasolina com o ar recebeu esse nome em 1896.

CILINDRO – os motores costumam ter um número variável deles. A palavra vem do Latim cilindrus, do Grego kylindros, “rolo”.

ENGRENAGEM – do Francês engrener, “encaixar rodas dentadas”, “colocar grão no moinho”, derivado do Latim granus, “grão”.

Portanto, é parente de grânulo, granola, granja.

GUIDOM – do Francês guider, “guiar”.

SUSPENSÃO – é o que nos permite chegar no destino sem que as articulações se tenham desconjuntado.

Vem do Latim suspendere, “pendurar”, formado por sub-, “de cima para baixo”, mais pendere, “manter pendurado”.

Resposta:

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!