Palavra desaprovação

NÃO PODE

Para poder manter inteira uma sociedade certas regras precisam ser impostas, de modo a evitar danos à coletividade. Para tornar claro que umas coisas podem ser feitas e outras não, as leis e os costumes definem processos que se aplicam em determinadas circunstâncias, isso antes da aplicação de uma penalidade. Eis alguns exemplos de palavras relacionadas, com as respectivas origens.

PROIBIÇÃO – do Latim prohibire, “manter afastado, impedir”, formado por pro-, “à frente”, mais uma forma combinante do verbo habere, “ter”. O que é proibido originalmente, devia ser mantido longe, afastado.

PROSCRIÇÃO  – do Latim proscribere, “trazer a público”, literalmente “escrever na frente dos outros”, de pro-, mais scribere, “escrever”.  Ao redor do séc. XIV, uma proscrição era um decreto declarando alguém fora da lei, condenando essa pessoa por alguma transgressão.

RESTRIÇÃO –  do Latim restrictio, “limitação”, de restringere, “tirar a ação, impedir” formada por re-, intensificativo, mais stringere, “amarrar fortemente”.

Uma palavra derivada deste verbo é estrito, “rigoroso, rígido”, de strictus, particípio passado de stringere.

REJEIÇÃO – do Latim reicere, “atirar de volta”, formado por re-, “de volta, para trás”, mais jacere, “jogar, atirar”.

REPRESSÃO – do Latim reprimere, “empurrar de volta, manter à distância”, de re-, mais primere, “apertar, comprimir”. Reprimenda, reprimir são derivados.

SUPRESSÃO – do Latim supprimere, “empurrar para baixo, impedir de se mover, fazer parar”, de sub-, “para baixo”, mais primere.

Um regime ditatorial muitas vezes recorre à supressão quando a repressão não dá resultado.

DESAPROVAÇÃO – do Latim dis-, indicando contrariedade, oposição, mais approbare, “demonstrar, tomar como certo”, por sua vez formada por ad-, “junto a”, mais probare, “provar, testar”, de probus, “honesto, genuíno”.

Ou seja, algo que não é considerado honesto provocará um movimento contrário das pessoas. Pelo menos era a ideia quando se instituiu o sistema eleitoral.

EMBARGO –   esta vem do Latim imbarricare, que não quer dizer “embarrigar” nem
“colocar dentro de uma barrica”, não. Esse verbo significa “colocar um obstáculo à
frente de” e vem de barra, “tranca, pedaço de madeira ou ferro colocado numa porta”.

Um embargo é uma ação legal feita para impedir que alguma coisa aconteça ou seja levada a efeito.

INTERDIÇÃO – em Latim  se dizia interdictio de um decreto de proibição, sendo a palavra formada por inter, “entre”, mais dicere, “dizer”.

VETAR – vem do Latim veto, “eu proíbo”, de vetare, “proibir”, que era o que um tribuno em Roma dizia formalmente quando se opunha a alguma medida dos senadores ou magistrados. Nem sempre dava certo, mas eles tentavam.
BANIMENTO – veio do Germânico bannan, “proclamar, proibir, ordenar” e originalmente queria dizer “declarar em público”. Deriva da base Indo-Europeia bha-, “falar”.  O sentido evoluiu no Germânico de “falar” para “proibir, expelir, impedir” e passou ao nosso idioma através do Francês banir, “proclamar, condenar ao exílio”.

IMPEDIR – do Latim impedire, “amarrar os pés”, de in-, negativo, mais pes, “pé”. Uma pessoa nestas condições obviamente não consegue fazer muita coisa.

Sabem o Santo Expedito? Seu nome vem da palavra expeditus. Ela era usada para nomear os soldados que deixavam para trás a impedimenta, ou seja, o material pesado que carregavam, fora as armas, para poderem se deslocar mais rapidamente em determinadas situações.

Por isso esse santo ele foi nomeado patrono das situações de emergência, nas quais tudo precisa ficar pronto para anteontem.
ABOLIÇÃO – veio do Latim abolere, “destruir, retardar o crescimento, fazer
morrer”, de ab-, dando a noção de “afastamento”, mais adolere, “crescer”. Por um certo tempo se aplicou a pessoas ou objetos, uso há muito ultrapassado.

CANCELAMENTO – do Latim cancellare, “cruzar um texto  com linhas”, literalmente “lembrar uma cancela, uma grade”, uma variante de carcer, “prisão”, pela analogia com as barras cruzadas desta.

Resposta:

ACHANDO RUIM

Nem sempre o que acontece ao nosso redor é de nosso agrado. Para expressar esse nosso sentimento e até para evitar que passemos a uma ação pouco educada, nosso idioma tem várias palavras. Vamos pesquisar a origem de algumas.

 

DESCONTENTAMENTO – forma-se de dis-, negativo ou indicativo de oposição, mais o Latim contentus, “contente, satisfeito, agradado”.

E esta palavra veio de continere, “segurar junto, rodear”, formada por com-, “junto”, mais tenere, “agarrar, segurar”.

 

DESAPROVAÇÃO  –  usa-se o dis- citado logo acima e se acrescenta o “aprovar”, do latim approbare, “considerar bom, tomar como bom”, de ad, “a”, mais probare, “experimentar, testar algo”, derivado de probus, “honesto, genuíno”.

 

DISCREPAR – vem do Latim discrepare, “soar diferente, discordar”, de dis- mais o verbo crepare, “chacoalhar, quebrar, fazer ruído”. Os cidadãos romanos, quando a banda de rock do filho do vizinho estava fazendo muito barulho na garagem das bigas, discrepavam.

Então eles increpavam os responsáveis, ou seja, repreendiam-nos, censuravam-nos. Este verbo vem de in-, outro prefixo negativo, mais crepare. O seu significado básico de “fazer barulho, fazer-se ouvir” passou a significar “repreender, acusar”.

 

REPREENDER – do Latim reprehendere, “restringir, imobilizar”, literalmente “puxar de volta”, de re-, “para trás”, mais prehendere, “agarrar firme”.

Esta, por sua vez, é formada de prae-, “antes”, mais hendere, “subir agarrado a algo”, derivado de hedera, “hera”, a planta que sobre pelos muros e os deixa tão bonitos enquanto se dedica a estragar o seu reboco.

 

OBJETAR – do Latim objectare, “citar como motivo de desaprovação”, um derivado de obicere, “apresentar, opor, colocar no caminho de”, formado por ob-, “à frente de”, mais jacere, “atirar, jogar”.

 

DIVERGIR – do Latim divergere, “ir em direções diferentes”, de dis-, mais vergere, “torcer, dobrar”.  Quando cada um toma um lado numa discussão, houve uma divergência.

 

DISSENTIR – de dis- mais sentire, “sentir, perceber”. Se uma pessoa sente diferente de outra, elas não poderão se acertar em algum assunto importante.

 

CRITICAR – do Latim criticus, “juiz, crítico literário”, do Grego kritikos, “pessoa com capacidade de fazer julgamentos”, de krinein, “separar, decidir, julgar”.

Claro que nem todo crítico tem condições de julgar com equidade. É por isso que criticar é tão fácil.

 

QUEIXAR-SE – vem do Latim quassare, “sacudir, mover, abalar”. A ideia subjacente é a de uma pessoa manifestar ruidosamente sua irritação contra algo que a incomoda.

 

OPOR-SE – do Latim opponere, “colocar contra”, formada por ob-, “contra, no caminho de”, mais ponere, “botar, colocar”. Quando um partido político deixa a oposição, começa a se queixar das pedras que os outros colocam em seu caminho.

 

REFUTAR – veio do Latim refutare, “repelir, levar de volta, reprimir”, de re-, mais futare, “bater, golpear”.  Aviso: nada a ver com “futebol”.

 

NEGAR – do latim negare, “recusar, dizer não”, de nec, uma forma de “não”.

Aliás, é interessante saber que o idioma latino não tinha uma palavra para “sim”. Mas tinha mais de uma para “não”, o que mostra que é sempre mais fácil recusar do que concordar.

 

DISCORDAR – do Latim discordia, “discordância”, que se forma por dis- mais cor, “coração”. Note-se como ficou expressiva a palavra: se dois corações não estão juntos, não se chega a uma conclusão.

 

DISSONAR – de dissonare, “emitir som diferente”, de dis- mais sonare, “emitir som”, de sonus, “som, ruído, música”.

Esta vai ser desagradável aos ouvidos se suas notas não mostrarem  harmonia.

 

DESAVIR – de dis- mais “avir”, um verbo meio esquecido mas que ainda faz parte de nosso idioma. Este deriva do Latim advenire, “colocar em harmonia, conciliar, adaptar”, que se forma por ad-, “a”, mais venire, “vir”.

 

 

Resposta:

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!